MUITO ALÉM DO PROTETOR SOLAR

Para prevenir o câncer de pele, um filtro adequado não é o único aliado: é preciso adotar comportamentos que reduzem o risco

A chegada do verão sempre nos lembra de um cuidado importante com a saúde: o uso de filtro solar. Afinal, a intensidade dos raios ultravioleta cresce na estação mais quente do ano, aumentando as chances de queimaduras e lesões na pele. Mas esse é um hábito esquecido por muita gente nas outras estações – e é um dos passos mais importantes na prevenção do câncer de pele, o tipo de câncer mais frequente no Brasil. A estimativa para este ano, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), é de 6.260 novos casos.

A alta incidência da doença está relacionada, principalmente, à falta de cuidados preventivos. Apesar de importante, no entanto, o uso de filtro solar não é a única arma no combate à doença. “Até recentemente, muitos médicos acreditavam que o uso dos protetores eram a principal precaução. Mas é apenas uma entre muitas”, comenta o Dr. Luiz Guilherme Castro, dermato oncologista do Centro Especializado em Oncologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, que conta com uma equipe multidisciplinar especializada em oncologia cutânea, formada por oncologistas, dermatologistas e cirurgiões. Segundo o especialista, as “regras” para evitar a doença não devem ser generalizadas. “As pessoas não são iguais. Cada uma tem suas particularidades, características físicas e costumes, e isso deve ser levado em consideração.”

Entre as ações preventivas, de acordo com o Dr. Luiz Guilherme, estão o uso de roupas com filtro solar incorporado ao tecido, óculos escuros para proteger os olhos – que também são afeta – dos pela radiação solar – e chapéu. Isso é ainda mais recomendado para quem fica muito tempo exposto aos raios solares. Realizar algumas adaptações na rotina também pode fazer grande diferença. “Se você sai para correr às 9 horas da manhã, por exemplo, pode trocar para as 8 ou outro horário com menor incidência de raios ultravioleta”, recomenda o Dr. Luiz Guilherme.

Realizar o autoexame da pele regularmente, em busca de sinais suspeitos, é também um eficiente método preventivo: pode acender o alarme para que o diagnóstico seja feito precocemente, aumentando as chances de sucesso do tratamento. Esse autoexame precisa ser minucioso e não deve se limitar apenas às regiões mais expostas ao sol. Mãos, dedos, pés, couro cabeludo e genitais também podem ser afetados.

SINAIS DE ALERTA

Muitas vezes, as lesões provocadas pelo câncer de pele passam despercebidas, pois podem ser confundidas com uma espinha ou um machucado. E há quem não dê atenção especial a feridas que sangram, não cicatrizam ou pintas que mudam de aparência repentinamente – estas últimas são sinais evidentes de que há algo errado com a pele.

Em geral, os indícios da doença são mudanças na coloração e no formato de pintas já existentes ou o surgimento de novas pintas ou manchas com aparência diferente do habitual (veja como identificá-las no infográfico ao lado). Ao detectar a presença desses sinais, é preciso buscar imediatamente um dermatologista para fazer uma avaliação. A suspeita surge por meio do exame clínico. Em alguns casos, o especialista realiza a dermatoscopia, exame no qual utiliza um aparelho que ajuda a visualizar camadas da pele que não podem ser vistas a olho nu. Quando há alguma lesão suspeita, é feita uma biópsia, ou seja, a retirada de uma amostra do tecido para investigação.

PROTETOR SOLAR, AINDA O MELHOR AMIGO

Vale ressaltar que não é a exposição solar intensa e ocasional que provoca o câncer, e sim a acumulada durante a vida. Em outras palavras: cada minuto sob o sol conta. Por isso, dentro do contexto preventivo, o uso do protetor solar é tão importante quanto nossos outros hábitos cotidianos, como escovar os dentes. O fator mínimo recomendado, seja qual for a estação do ano, é 30 e é necessário aplicá-lo com pelo menos 20 minutos de antecedência à exposição solar. Em caso de suor, transpiração excessiva ou contato com água do mar ou da piscina, o produto deve ser reaplicado – mesmo aqueles que, segundo o fabricante, não saem na água. E lembre-se: lábios, orelha, careca e nuca também são afetados e devem receber atenção especial.

TRATAMENTOS CADA VEZ MAIS AVANÇADOS

Em casos menos agressivos da doença, não é mais necessária a cirurgia para retirada da lesão. Medicamentos tópicos, que podem ser aplicados diretamente na pele, e terapia fotodinâmica são alternativas eficientes, que também evitam as cicatrizes causadas pelos procedimentos cirúrgicos mais invasivos. Já no caso do melanoma, um dos tipos mais graves e agressivos, que pode levar à morte, a cirurgia ainda é a opção mais indicada. “Medicamentos biológicos também vêm apresentando grande sucesso no tratamento do melanoma avançado”, comenta o Dr. Luiz Guilherme, que reforça que, quanto mais cedo for feito o diagnóstico, mais eficiente será o tratamento.

Veja Também

Leve Com Você
SOBRE VOCÊ

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store