CÂNCER DE PRÓSTATA: INFORMAÇÃO SALVA VIDAS

Câncer de próstata: informação salva vidas

Apesar de muito comum, o câncer de próstata ainda enfrenta diversos preconceitos e tabus que dificultam sua detecção precoce, fundamental para aumentar as chances de cura. Conversamos com o Dr. Ariel Kann, Head do Centro Especializado em Oncologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, para entender as características da doença e os melhores caminhos para tratá-la.

LEVE COM VOCÊ. Por que o câncer de próstata é tão prevalente?

Dr. Ariel Kann: Um dos motivos é o envelhecimento da população. Antigamente, a expectativa de vida do brasileiro era por volta de 50, 60 anos. Hoje, chegamos na faixa de quase 80 anos. Em algumas regiões, como o Sudeste e o Sul, a expectativa de vida é bem alta. E, não apenas para câncer de próstata, mas cânceres em geral, a idade é um fator de risco. Se o homem envelhecer o suficiente, ele provavelmente terá câncer de próstata ao longo da vida. Outra razão importante é que, hoje, temos mais diagnósticos. Até a década de 80, não tínhamos o exame do PSA, que é um exame importante para a detecção precoce. A partir da década de 90, houve um grande aumento no número de casos diagnosticados. Posteriormente, outros métodos como ressonância magnética, tomografia, PET/PSMA e biópsia vieram e facilitaram muito o diagnóstico. Então raramente se diagnosticava a doença precoce no passado, só em casos já muito avançados. A partir do momento em que começamos a ter esses métodos e eles se tornaram acessíveis, passamos a diagnosticar muito mais casos.

Além do envelhecimento, quais são os outros fatores de risco?

A maioria deles ainda é desconhecida, na verdade. Sabemos que pacientes da raça negra têm uma chance aumentada de ter câncer de próstata e também de desenvolver tumores mais agressivos. Então homens negros precisam ser acompanhados ainda mais de perto. A hereditariedade também é um fator importante: para quem tem um parente de primeiro grau – um pai ou irmão, por exemplo – que já teve o câncer de próstata, a chance de desenvolver a doença aumenta até três vezes. Hoje sabemos que um gene chamado BRCA2 está bastante relacionado à hereditariedade em câncer de próstata. Portadores deste gene costumam ter a doença em idade mais jovem e casos mais agressivos. Este é o mesmo gene que, em mulheres, aumenta o risco de câncer de mama e ovário. Outros fatores que podem estar relacionados com a doença são a obesidade e o sedentarismo.

E, tendo esse histórico familiar, o que o paciente deve fazer?

Como já evoluímos bastante para saber quais são os genes que aumentam o risco do câncer de próstata, com o histórico familiar, o paciente pode fazer um teste genético, que é um exame de sangue simples, entender se ele pode passar esses genes adiante e fazer um acompanhamento mais precoce, a partir dos 35, 40 anos, dependendo do caso, e um check-up mais aprofundado – além do exame de toque e do PSA, um exame de ressonância, por exemplo.

No caso do exame de toque, o tumor precisa ter um determinado tamanho para ser detectado?

Sim, e também tem que estar em uma posição específica para que o urologista consiga palpá-lo. Quando o médico faz o toque retal, consegue identificar a parede posterior e lateral da próstata. Se o tumor estiver localizado longe dessa área, o urologista não vai conseguir sentir nenhuma alteração. Por isso é importante associar os métodos diagnósticos, principalmente quando o paciente apresenta um fator de risco.

E qual é a idade ideal para começar o rastreamento?

Depende. O câncer de próstata surge, no geral, entre os 65 e 80 anos. Não é impossível, mas é muito raro vermos a doença em homens com menos de 40 anos. No Brasil, a Sociedade Brasileira de Urologia definiu o rastreamento a partir de 50 anos. Homens negros e/ou com parentes de primeiro grau com câncer de próstata devem começar o rastreamento aos 40 anos.

Novembro azul

O câncer de próstata é conhecido por ser uma doença silenciosa inicialmente. Quando começa a produzir sintomas?

Sim, é silencioso. Por isso o rastreamento é tão importante. A detecção precoce, assim como no câncer de mama, faz uma diferença absurda. A chance de cura, com a cirurgia, chega a 90%. Fazendo novamente a analogia com o câncer de mama, por meio do autoexame, a mulher consegue apalpar o nódulo em determinados casos. No caso do câncer de próstata não existe a palpação. O homem só vai ter sintoma e diagnosticar o câncer de próstata se ele estiver bastante avançado. Entre os sintomas, destaco a retenção urinária, por causa do fechamento do canal da uretra, ou, se o tumor invadir a bexiga, ele pode ter um sangramento quando urinar. Caso o câncer se espalhe para os ossos, que é uma ocorrência comum em doenças da próstata, pode causar muitas dores. Então os sintomas também dependem da progressão desse tumor. Uma questão interessante é que os homens, muitas vezes, evitam os exames e têm medo da cirurgia porque ficam preocupados com a potência sexual, sendo que o tumor em um estágio avançado cresce, pode invadir o nervo e gerar problemas de ereção – ou seja, o homem pode sofrer com a disfunção erétil justamente pelo câncer, e não pelo tratamento.

Quais são os tratamentos em casos iniciais?

No caso de um tumor precoce, o paciente vai ser operado ou vai fazer uma radioterapia, ou, ainda, associar as duas técnicas, dependendo do caso, e vai ser curado sem nunca ter sentido absolutamente nada.

E as terapias mais indicadas para o câncer em estágio avançado?

Antes de tudo, é importante dizer que, quando diagnosticamos um câncer de próstata avançado, a primeira coisa que temos que fazer é tirar a culpa desse paciente. Nem todo caso acontece porque o homem foi negligente com a própria saúde. Existem cânceres de próstata avançados em que o sujeito é cuidadoso, mas tem um tumor agressivo, que cresceu e deu metástase, mesmo ele tendo feito tudo certo. Também é muito importante destacar que o câncer de próstata metastático não é uma sentença de morte; é tratável e o paciente pode viver muitos anos com uma ótima qualidade de vida. Entre os avanços mais recentes, temos excelentes tratamentos e remédios para casos metastáticos, que vão muito além da quimioterapia, como a terapia hormonal, a radioterapia e a medicina nuclear, com o Lutécio-PSMA, além das medicações orais, que evoluíram bastante. Aqui no hospital, temos muitos estudos clínicos de câncer de próstata, investimos muito em pesquisa, em equipamentos para a doença de próstata avançada. Então os recursos para tratar esses casos nós temos, aí entra um pouco o meu papel como oncologista de manejar adequadamente o câncer e guiar o paciente para uma sobrevida longa e com qualidade.

Dr. Ariel Kann

“A detecção precoce é fundamental para aumentar as chances de uma cura rápida e tranquila, mas é importante ressaltar que temos, hoje em dia, excelentes tratamentos para casos mais avançados. O câncer de próstata, mesmo quando diagnosticado tardiamente, não é uma sentença de morte”

Dr. Ariel Kann, Head do Centro Especializado em Oncologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Campanhas de conscientização, como o Novembro Azul, ajudam a derrubar o preconceito sobre o exame de toque e o tratamento?

 Acho que as campanhas ajudam, sim, divulgam, conscientizam etc. Mas existem outras questões importantes, como a educação e as diferenças geracionais. Acredito que as próximas gerações vão ter uma cabeça um pouco mais aberta. Esse componente cultural relacionado à masculinidade ainda é muito comum. Um dado curioso é que vemos as campanhas funcionando principalmente com mulheres – mães, filhas, irmãs que insistem para os homens marcarem a consulta. Muitas vezes, elas próprias marcam e os levam ao urologista, mas está na hora do homem começar a cuidar da sua saúde.

Veja Também

Leve Com Você
SOBRE VOCÊ

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store