MUITO ALÉM DA SUPERFÍCIE

DESVENDE OS MITOS E VERDADES DA TATUAGEM.

Há pelo menos 5 mil anos o homem tatua a pele. No Ocidente, essa prática foi identificada em meados do século 18, quando marinheiros exibiam desenhos inspirados na arte corporal de povos aborígenes. No século 19 e no início do 20, a prática passou a ser vista com preconceito, já que presidiários, prostitutas e soldados viraram adeptos.

Com o tempo, as tattoos (ou tatau, “marca” no idioma polinésio) acabaram influenciando roqueiros, motoqueiros, hippies, punks, entre outras tribos urbanas, e se transformaram em sinônimo de atitude. Hoje, como forma de expressão corporal, é bastante comum ver diferentes versões de desenhos, inclusive em 3D e estilos pigmentados com tinta preta, colorida ou branca.

Mas, afinal, como a tatuagem funciona na pele? Faz mal? Vicia? O Dr. Eduardo Bertolli, cirurgião oncológico especializado em pele do Centro de Oncologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, nos ajudou a entender um pouco melhor sobre a prática que ganha cada vez mais adepto.

Cada picada da agulha representa um trauma superficial, que se regenera rápido. A própria reação imunológica do corpo – ao enviar células para eliminar a tinta, considerada um corpo estranho – retém micropartículas dos pigmentos e mantém a tatuagem visível, geralmente para sempre.

Porque elas são feitas nas camadas mais profundas da pele. Das três camadas – a epiderme (mais externa), a derme (intermediária) e a hipoderme (mais profunda) –, a única que está em constante renovação é a epiderme.

As tatuagens definitivas são feitas geralmente com pigmentos à base de derivados de metais. A tinta preta, por exemplo, é feita de carvão; a azul, de sais de cobalto; o verde, de sais de cromo; o branco, de óxido de titânio; e por aí vai.

Sim. Principalmente as com tinta vermelha, cuja fórmula inclui sais de cádmio, metal que pode causar câncer, e, muitas vezes, mercúrio, considerado tóxico. Uma alternativa é usar o vermelho carmim, feito de um pequeno inseto. Pesquise sempre as marcas aprovadas pela Anvisa.

Essa é uma regra muito importante para evitar riscos de infecções pelo contato com o sangue. Se a agulha for reutilizada, pode haver risco de contaminação, inclusive por HIV.

Não há uma regra específica para isso. Apesar de não proibirem, os bancos de sangue costumam considerar a tatuagem uma contraindicação pela falta de conhecimento das condições em que ela foi feita. Alguns sugerem aguardar um ano após a realização da tatuagem, tempo que pode revelar algum tipo de contaminação.

Tudo depende do laboratório. De modo geral, antes de fazer o exame, é aplicado um questionário para investigar as condições da tatuagem. As máquinas utilizam ímãs para localizar algo atípico no corpo e os metais das tintas podem ser sensíveis aos campos magnéticos criados.

Por si só, a tatuagem não é considerada um fator de risco. A questão é que ela dificulta a visualização durante a avaliação da pele, principalmente as com cores muito escuras. Desenhos feitos para esconder a cicatriz resultante da retirada de um câncer, por exemplo, podem atrapalhar a detecção de uma possível evolução da doença.

Apesar de muitas pessoas jurarem que sim, não existe nada comprovado sobre o assunto. O que provavelmente acontece é que, depois de fazer a primeira, se a pessoa gostou do resultado, ela quer repetir a experiência. Mas isso tem a ver com estética, não com vício.

Mito! A recomendação é bem comum, mas não chega a ser uma proibição. Nos primeiros dias, é bom evitar a exposição exagerada para não estimular um processo inflamatório, que pode desbotar o desenho. A dica é sempre se expor ao sol usando filtro solar.

Se a glicemia estiver totalmente controlada, não há riscos, mas é sempre bom evitar tatuar a pele em locais onde são aplicadas as injeções de insulina. Vale lembrar a importância de contar com orientações médicas, já que os diabéticos correm mais risco de ter infecções.

Isso vale não só para as tatuagens, mas para a cicatrização em geral. O ideal é comer alimentos ricos em vitamina C (frutas ácidas como laranja tangerina e limão) e zinco (carnes, peixes e vegetais verde escuros), que ajudam no processo.

Depende da extensão, da cor, do tempo de existência dela e das tecnologias utilizadas na remoção. Se o pigmento estiver muito profundo ou a cor for muito escura, é mais difícil. Seja como for, nenhum método oferecido hoje é totalmente eficaz na primeira vez.

Oncologia Câncer de Pele Matéria Texto

Veja Também

Leve Com Você
SOBRE VOCÊ

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store