Setembro Vermelho: alimentação pode prevenir AVC, infarto e angina

Cardiologista explica como a alimentação pode preservar a saúde cardiovascular, evitando doenças como AVC, infarto e angina

As doenças cardiovasculares representam a principal causa de morte no Brasil. Por isso, a campanha Setembro Vermelho é fundamental, uma vez que promove a conscientização sobre essas enfermidades e sobre como preveni-las. Uma das formas de prevenção, aliás, é através da alimentação.

De acordo com o estudo PURE, (Population Urban and Rural Epidemiology), coordenado no Brasil pelo Centro Internacional de Pesquisa do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em 2022, aproximadamente 70% das mortes e dos eventos cardiovasculares poderiam ser evitados com o controle efetivo sobre os fatores de risco, como hipertensão arterial e tabagismo.

Neste contexto, é fundamental entender como a alimentação pode desempenhar papel crucial na prevenção das doenças cardiovasculares. Isso porque alguns alimentos são aliados na promoção da saúde do coração, fornecendo nutrientes essenciais e ajudando a reduzir o risco de complicações cardíacas. Ao mesmo tempo, é vital estar ciente do que pode prejudicar o coração.

AVC (Acidente Vascular Cerebral)

O AVC é uma condição que se divide em dois tipos principais: hemorrágico e isquêmico. “O hemorrágico ocorre quando vasos sanguíneos no interior do cérebro se rompem, resultando em sangramento. Já o isquêmico é o mais incidente e acontece quando há obstrução das vias sanguíneas que abastecem o cérebro, em razão de uma trombose ou embolia”, explica o Dr. Leandro Costa, cardiologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Isso leva a uma variedade de sintomas (semelhantes nos casos de AVC hemorrágico e isquêmico), incluindo perda súbita de força ou sensibilidade, visão prejudicada, alterações na fala e dores de cabeça intensas. É importante destacar que um AVC é uma emergência médica que requer intervenção imediata, destaca o especialista.

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (SES-SP) reportou recentemente um preocupante crescimento de 20,2% no número de atendimentos de vítimas de AVC no Estado durante o primeiro semestre de 2023 em comparação ao mesmo período de 2022.

Infarto agudo do miocárdio

O cardiologista explica que o infarto agudo do miocárdio é uma emergência médica caracterizada pelo bloqueio das artérias coronárias, bloqueando o fluxo sanguíneo ao músculo cardíaco, que ao ficar sem sangue, perde oxigênio e morre. Quando isso acontece, uma dor no peito intensa se manifesta, e essa dor não é só focada no peito; ela pode se espalhar para áreas como pescoço, axila, costas ou braços.

De acordo com o Dr. Leandro, os sintomas prévios são: mal-estar, enjoo, tontura, palidez e falta de ar. “Reconhecer esses sinais é crucial, pois permite um tratamento precoce, o que, por sua vez, melhora significativamente as chances de recuperação”, destaca.

Angina

Por fim, o especialista explica que a angina é a manifestação clínica, sintomática, da redução ou interrupção do fluxo sanguíneo nas artérias que irrigam o coração. Ela pode acontecer concomitantemente ao infarto, ou seja, quando o fluxo sanguíneo para o músculo cardíaco é diminuído, dores intermitentes ou pressão no peito, especialmente durante atividades físicas, podem acontecer.

“É interessante notar que, em alguns casos, o repouso pode aliviar esses sintomas. E, embora seja uma condição séria, a angina geralmente não resulta em danos permanentes ao coração, ao contrário do infarto”, revela o médico.

Alimentação e a prevenção de doenças cardiovasculares

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), dietas inadequadas representam um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Portanto, a relação entre alimentação e saúde cardiovascular é inegável e de grande relevância.

“Uma dieta equilibrada e consciente, aliada à prática regular de exercícios físicos, pode ajudar a reduzir os fatores de risco associados a doenças cardíacas, como níveis elevados de hipertensão arterial e colesterol. Mas também desempenha um papel crucial na manutenção da saúde do coração a longo prazo”, ressalta o Dr. Leandro.

Neste contexto, o cardiologista aponta quais alimentos evitar para preservar a saúde cardiovascular. Confira:

Gorduras saturadas, presentes em carnes vermelhas, embutidos como bacon, salsichas, manteiga e queijos gordurosos. São conhecidas por elevar os níveis de colesterol LDL (o “colesterol ruim”), contribuindo para o acúmulo de placas nas artérias coronárias. Assim, aumentam o risco de doenças cardiovasculares.
Gorduras trans, presentes em produtos ultraprocessados como bolos e fast-food. Não só aumentam o colesterol LDL, mas também diminuem o colesterol HDL (o “colesterol bom”), tornando-as especialmente prejudiciais.

Além disso, o consumo excessivo de sódio, comum em alimentos processados, pode aumentar a pressão arterial.

O açúcar adicionado em bebidas nesses alimentos contribui para inflamação, ganho de peso e resistência à insulina, fatores que podem contribuir para doenças cardíacas.
“Evitar esses alimentos e optar por alternativas saudáveis, como frutas, vegetais e grãos integrais, além de ter o hábito de se exercitar regularmente, é fundamental para promover um estilo de vida com um coração saudável. Ressaltando que qualquer mudança significativa nos hábitos do paciente deve ser avaliada por um profissional de saúde para garantir que seja apropriada e segura de acordo com as necessidades individuais”, conclui o especialista.

Data: 25/09/2023 Fonte: Terra Notícias - SP

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store