Tudo sobre a cirurgia bariátrica e metabólica

Saiba mais sobre esse procedimento, suas indicações, mitos e recomendações por Livia Scatena.

Tudo sobre a cirurgia bariátrica e metabólica

Desde as primeiras cirurgias bariátricas no Brasil, nos anos 1970, até a popularização do eficaz procedi – mento contra a obesidade grave, já em meados dos anos 1990, bastante coisa mudou. Hoje os procedi – mentos adotados pelos profissionais são mais modernos e menos invasivos e não é mais necessária uma longa preparação psicológica pré-cirúrgica – há 25 anos, o paciente passava por até dois anos de acompanhamento terapêutico antes de ser operado.

O Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz realiza entre 30 e 40 cirurgias bariátricas por mês, sendo a metade delas metabólica. A idade média dos pacientes que recorrem ao procedi – mento no hospital é de 45 anos e mais mulheres são submetidas ao procedimento, em uma proporção de duas a três para cada homem – quando consideradas apenas as cirurgias metabólicas, tal diferença cai de um para dois.

CIRURGIA BARIÁTRICA: BÊ-A-BÁ

Dr Ricardo Cohen

O procedimento é um recurso cada vez mais utilizado para o tratamento da obesidade. Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, o número de cirurgias bariátricas cresceu 84,7% no Brasil entre 2011 e 2018, no levantamento mais recente da entidade. Nesse intervalo, mais de 424 mil pessoas foram operadas. “Realizo o procedimento desde 1998 e, desde então, só vi aumentar a procura pela cirurgia. Credito isso a uma maior educação por parte dos pacientes, que entendem como o procedimento é benéfico e transformador para a saúde”, afirma o Dr. Ricardo Cohen, coordenador do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Preferencialmente, a cirurgia bariátrica é feita por videolaparoscopia, uma técnica moderna, menos invasiva e mais confortável para o paciente. O médico faz pequenas incisões na região abdominal do paciente, por onde introduz os instrumentos necessários para a realização do procedimento. Pacientes portadores de obesidade mórbida, com IMC (Índice de Massa Corporal) acima de 40 kg/m 2 e com IMC entre 35 e 39,9 kg/m2 e doenças associadas à obesidade, como hiper – tensão, refluxo e apneia do sono, dentre outras, podem se submeter à cirurgia bariátrica. Se você quer saber mais sobre o seu IMC, acesse o site centrodeobesidadeediabetes.org.br.

CIRURGIA METABÓLICA

O procedimento é recomendado para pessoas com diabetes do tipo 2 não controlada com medicamentos e pode ser feito em pacientes com IMC a partir de 30 kg/m ². “Vários fatores são associados à dificuldade de manejo clínico dos pacientes com dia – betes do tipo 2, incluindo a própria característica da doença e a aderência dos pacientes ao tratamento, que, por vezes, é de difícil assimilação, com uso de drogas injetáveis a serem aplicadas, em alguns casos, diversas vezes por dia. Além disso, os altos custos das insulinas e drogas de última geração também prejudicam o tratamento”, explica o especialista. “Um estudo brasileiro de 2010 mostrou que cerca de 70% dos pacientes com diabetes do tipo 2 não apresentavam controle glicêmico.” Segundo o Dr. Cohen, a perda de peso es – perada para um paciente que passa por essa cirurgia é de 25% a 30%, o mesmo para uma bariátrica em uma pessoa que não tem diabetes. “No entanto, no pós-operatório esperamos observar uma melhora geral dos exames do paciente com diabetes, além do controle da glicemia. Entre 60% e 70% dos pacientes apresentam controle total do diabetes tipo 2 a longo prazo”, conta o médico.

SEGURANÇA

Qualquer intervenção cirúrgica tem seus riscos de complicações e até de mortalidade. Tais riscos dependem de alguns fatores, como a experiência da equipe cirúrgica e a gravidade das doenças associadas à obesidade. No entanto, a chance de sucesso de uma operação bariátrica hoje em dia, sem óbito, é de 99,85% em centros de excelência. “O índice de complicações severas, que defino como aquelas que requerem alguma intervenção por meio de tratamento clínico ou mesmo reoperações, é baixo, por volta de 1% a 2%. Esse número é pequeno graças ao acesso laparoscópico, ao aperfeiçoamento dos materiais e ao treinamento das equipes cirúrgicas”, relata o Dr. Cohen. Segundo o médico, via de regra, as complicações são relacionadas às doenças associadas e sua gravidade. “Vale a pena salientar que as enfermidades que acompanham a obesidade, como o diabetes tipo 2 e a apneia do sono, entre outras, reforçam a indicação operatória e compensá-las antes das cirurgias é importante para menores índices de complicações”, diz.

PÓS-OPERATÓRIO

Em operações rotineiras, através do acesso videolaparoscópico, os pacientes têm breve estadia no hospital, em média de 36 a 48 horas. Depois de uma semana, eles voltam ao consultório médico para avaliação e orientação para a progressão da dieta de líquida para pastosa. Após 30 a 40 dias, acontece uma nova consulta médica e também nutricional. Nessa fase, os pacientes, em geral, já estão em dieta sólida. “A monitorização laboratorial depende das doenças associadas à obesidade. Por exemplo, diabéticos usualmente têm o controle de sua doença relativamente rápido depois da cirurgia e devem ser avaliados pela equipe médica com mais frequência para ajuste de doses de medicação e até suspensão de medicamentos”, afirma o Dr. Cohen. “Já os pacientes que não têm doença associada em geral são vistos quadrimestralmente nos primeiros dois anos, semestralmente até o quinto ano e anualmente nos anos subsequentes.”

PREPARAÇÃO PSICOLÓGICA

De acordo com o Dr. Adriano Segal, coordenador de Psiquiatria do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, os pacientes passam por sessões psicoeducacionais antes de serem submetidos à cirurgia. “Contamos como é a cirurgia e suas consequências para não haver surpresas no pós-operatório.” Segundo ele, há uma proporção elevada de transtornos psiquiátricos entre os pacientes que procuram a cirurgia bariátrica. “Cerca de 80% deles têm transtornos de humor, como depressão e bipolaridade, e quadros de ansiedade. No pós-operatório, observamos uma melhora desses quadros. No entanto, quando os transtornos se mantêm, o paciente conta com acompanhamento psicológico e psiquiátrico, especialmente no curto e médio prazos.”

Para o Dr. Segal, é mais interessante o acompanhamento no pós-operatório, principalmente para evitar que o paciente operado comece a abusar de álcool. “Esse abuso compromete o sucesso da cirurgia. O ideal é que a pessoa que passa por cirurgia bariátrica ou metabólica não beba, pois o álcool é mais perigoso no pós-cirúrgico, já que sua absorção acontece mais rapidamente e sua metabolização é mais lenta”, explica. “De 20% a 25% dos pacientes apresentam problemas com álcool no pós-operatório, sendo que o índice na população geral fica em 15%. Por isso a orientação é não beber ou aproveitar apenas momentos muito especiais para fazer um brinde, sem abusos, como formatura ou casamento de filhas e filhos. Churrascos e confraternizações não se enquadram aqui.”

Técnicas adotadas

Técnicas avançadas

São duas as técnicas de cirurgia de redução de estômago que se destacam no Brasil. O bypass gástrico é usado em 65% das cirurgias no país, sendo a mais recorrente em pacientes com diabetes do tipo 2. Nesse procedimento, o estômago é separado em duas partes e o caminho até o intestino é encurtado, unindo a menor parte do estômago ao intestino. Já a gastrectomia vertical consiste em transformar o estômago em uma espécie de tubo, de forma que o órgão não seja capaz de armazenar grande quantidade de comida. Essa técnica acelera a chegada dos alimentos ao intestino delgado.

Obesidade e diabetes Obesidade Informativo Texto

Veja Também

Leve Com Você
SOBRE VOCÊ

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store