Doenças gastrointestinais: a importância do diagnóstico precoce

Especialistas alertam sobre os cuidados com a saúde digestiva e quando buscar ajuda médica para prevenir complicações.

No dia 29 de maio, comemora-se o Dia Mundial da Saúde Digestiva, uma data importante para se lembrar da necessidade da prevenção e do diagnóstico precoce das doenças do trato gastrointestinal. Apesar da relevância do tema, muitas pessoas acabam negligenciando esses sintomas e só procuram um especialista quando o quadro está avançado.

Segundo a Organização Mundial de Gastroenterologia, 20% da população global sofre algum tipo de problema intestinal e 90% das pessoas não procuram orientação médica, recorrem à automedicação ou não fazem nada para resolver o problema.

“De acordo com estatísticas atuais, estima-se que cerca de 12% da população brasileira seja afetada pela Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE). O câncer colorretal é o terceiro tipo de câncer mais frequente no Brasil, excluindo os tumores de pele não melanoma, com uma incidência estimada de 45.630 casos por ano e um risco estimado de 21,10 casos por 100 mil habitantes. Além disso, as Doenças Inflamatórias Intestinais (DII), como a doença de Crohn e a retocolite ulcerativa, apresentam uma prevalência de cerca de 100 casos para cada 100 mil habitantes nas regiões Sul e Sudeste do País”, informa a médica especialista em cirurgia geral e endoscopia digestiva, Dra. Ivna Fernandes, sediada em Fortaleza (CE).

Entre as doenças mais comuns, a dispepsia funcional (popularmente conhecida como gastrite) também é referida em 40% das queixas digestivas relatadas pela população brasileira, segundo o coordenador do Núcleo de Gastroenterologia e Hepatologia do Centro Especializado em Aparelho Digestivo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo (SP), Dr. Tomás Navarro Rodriguez.

DICAS DO GUI: MEDICAMENTOS ISENTOS DE PRESCRIÇÃO MAIS USADOS PARA AZIA E MÁ DIGESTÃO

Antiácidos: compostos por hidróxido de alumínio, hidróxido de magnésio, bicarbonato de sódio e carbonato de cálcio, neutralizam a acidez do estômago e aliviam os sintomas de azia e má digestão.

Alginato de sódio: forma uma barreira protetora na superfície do conteúdo gástrico, impedindo o refluxo e reduzindo a azia e o desconforto.

Como usar: importante ressaltar que alguns tipos de medicamentos possuem recomendações específicas sobre o melhor horário para uso, se antes, junto ou após as refeições principais, pois pode haver alteração na absorção e no mecanismo de ação principal.

Ponto de atenção: esses medicamentos possuem contraindicações e possíveis efeitos colaterais, como má absorção de nutrientes, vitaminas e minerais, constipação, diarreia e desequilíbrio na flora intestinal. Por isso, é indicado orientar o paciente a procurar um médico em casos de sintomas recorrentes ou de média/forte intensidade.

Fontes: 1. Coordenador do Núcleo de Gastroenterologia e Hepatologia do Centro Especializado em Aparelho Digestivo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo (SP), Dr. Tomás Navarro Rodriguez; e 2. Gastroenterologista e hepatologista dos hospitais Universitário Cajuru e Marcelino Champagnat, Dra. Helen Carolina Perussolo Alberton.

IMPORTÂNCIA DA DATA

Para reverter esse cenário, é necessário trazer o tema em discussão e realizar programas de prevenção que alcancem toda a população brasileira. “Além disso, a falta de orientação e informações adequadas sobre saúde digestiva, somada à restrita acessibilidade aos serviços de saúde privados, muitas vezes faz com que as pessoas negligenciem a importância de cuidar do trato gastrointestinal”, destaca o médico do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Além disso, no Brasil, a realização de exames complementares, como ultrassom, tomografia, endoscopia e colonoscopia, é um desafio. Muitas vezes, esses diagnósticos são de difícil acesso ou apresentam longas filas de espera, o que pode retardar o diagnóstico e o tratamento das doenças do trato digestivo, explica a Dra. Ivna.

“A importância do diagnóstico precoce e tratamento adequado das doenças do aparelho digestivo é fundamental para garantir uma melhor qualidade de vida ao paciente. Negligenciar essas doenças pode levar a complicações graves a médio e longo prazo, podendo até mesmo exigir uma intervenção cirúrgica quando o tratamento clínico já não é mais eficaz. Por isso, é essencial que as pessoas estejam atentas aos sinais do corpo e busquem ajuda médica o mais cedo possível para evitar maiores consequências”, explica a gastroenterologista e hepatologista dos Hospitais Universitário Cajuru e Marcelino Champagnat, em Curitiba (PR), Dra. Helen Carolina Perussolo Alberton.

GRUPOS DE RISCO

Sobre os fatores de riscos para as doenças digestivas, eles são bastante variáveis e podem ser influenciados por diversos pontos, incluindo predisposição genética, hábitos alimentares, estilo de vida e uso de medicamentos, segundo a Dra. Helen Carolina.

“Há doenças que têm uma forte correlação com a predisposição genética, como a doença celíaca e as doenças inflamatórias intestinais, como a retocolite ulcerativa e a doença de Crohn”, relata a médica. Já fatores ambientais, como exposição ao cigarro e álcool estão relacionados com a DRGE e com sintomas dispépticos (má digestão), além de serem fatores de risco para doenças crônicas do fígado e do pâncreas. A obesidade e a síndrome metabólica também estão associadas a um grande número de doenças digestivas.

FORMAS DE PREVENÇÃO

A Dra. Helen Carolina alerta para a importância dos hábitos alimentares e para evitar o consumo excessivo de cafeína, alimentos gordurosos e refeições volumosas, além de orientar sobre a necessidade de manter um intervalo adequado entre a alimentação e o momento de deitar.

A falta de consumo de líquidos e fibras na dieta, aliada ao sedentarismo, também é um fator de risco para o desenvolvimento da constipação intestinal crônica. Além disso, o uso errôneo de medicamentos pode afetar negativamente a saúde digestiva, sendo um fator de risco para sintomas digestivos e doenças, como constipação, diarreia, dor abdominal e úlceras de estômago.

A Dra. Helen Carolina destaca também a relação entre as desordens funcionais, como a dispepsia funcional e a Síndrome do Intestino Irritável (SII), com o estilo de vida e transtornos de humor, como ansiedade e depressão, podendo vir acompanhadas de outras doenças, como fibromialgia e enxaqueca.

Para as doenças infecciosas digestivas, como parasitoses e infecção crônica pela bactéria H. pylori, ou infecção pelo vírus da hepatite A, a Dra. Helen Carolina finaliza ressaltando a importância da qualidade das condições sanitárias, visto que essas doenças podem ser transmitidas por água e alimentos contaminados.

Data: 19/05/2023 Fonte: Guia da Farmácia Online - SP

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store