As 3 queixas gastrointestinais mais comuns em mulheres

Indigestão, intestino preso e síndrome do intestino irritável são condições que podem melhorar com remédios e mudanças no estilo de vida.

Azia, queimação, gases, inchaço, constipação… quem sempre? Alguns distúrbios gastrointestinais são tão comuns, que chegam a afetar 30% da população, sobretudo mulheres.

Muitas pessoas, no entanto, sofrem em silêncio, por se tratar de sinais e sintomas considerados um tabu. Um outro tanto se automedica.

“A automedicação é algo que a gente sempre desencoraja. Às vezes, a pessoa toma um remédio por conta própria achando que tem gastrite, por exemplo, mas nem tem. Se o paciente sente dor ou outro sintoma, deve procurar um médico”, informa a gastroenterologista Maira Marzinotto, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

A seguir, as três queixas gastrointestinais mais comuns em mulheres.

Dispepsia funcional (indigestão)

Dor, azia, queimação, arrotos e inchaço no estômago são desconfortos que muitas mulheres sentem, principalmente depois de ingerir comidas gordurosas e com temperos fortes. Esses sintomas e sinais são típicos da dispepsia funcional, uma condição popularmente conhecida como indigestão

De acordo com a Fundação Internacional para Distúrbios Gastrointestinais, a dispepsia funcional afeta cerca de 30% da população . A condição é mais prevalente em mulheres do que em homens.

Quando um paciente procura um médico com essas queixas, ele pode ser submetido a exames como ultrassonografia abdominal e endoscopia, na tentativa de encontrar uma causa para seus sintomas. “No entanto, em muitos casos, nenhum achado orgânico é identificado. Às vezes, a pessoa até tem uma gastrite leve, mas não justifica tanta dor e estufamento, e gente fica com diagnóstico de dispepsia funcional”, diz Marzinotto.

O tratamento da doença é direcionado para aliviar os sintomas predominantes de cada indivíduo. Se for dor, o médico pode prescrever analgésicos.

Em caso de estufamento abdominal, medicações pró-cinéticas ajudam o estômago a se contrair. “Tem pacientes que comem pouco e, mesmo assim, têm a sensação de estômago cheio, porque o órgão se esvazia mais lentamente”, explica a médica.

O tratamento de dispepsia funcional, porém, não deve se limitar apenas ao alívio dos sintomas. “É fundamental abordar as causas subjacentes, que muitas vezes incluem ansiedade e depressão”, aponta Marzinotto.

Nesse sentido, o acompanhamento psicológico pode ser recomendado como parte integrante do tratamento, ajudando a atenuar as crises e melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Constipação (intestino preso)

Pela definição clássica, uma pessoa é constipada quando vai ao banheiro menos de três vezes por semana. No entanto, segundo Maira Marzinotto, esse padrão varia muito de pessoa para pessoa.

“O critério mais importante é o sofrimento do paciente. Tem gente que, se não evacuar todo dia, fica com as fezes muito endurecidas ou sente dor. Outros evacuam a cada dois dias e não têm nenhum desconforto por causa disso”, diz.

Estima-se que a constipação, popularmente conhecida como intestino preso, afete 20% das pessoas. Ela é uma queixa frequente entre as mulheres, principalmente durante a idade fértil. Os hormônios femininos, como a progesterona e o estrogênio, têm a tendência de diminuir a motilidade intestinal, o que pode levar à constipação.

O diagnóstico é clínico, mas o médico pode solicitar uma colonoscopia para verificar se há alguma obstrução mecânica que possa estar causando a constipação. “Na maioria dos casos, a colonoscopia não revela nenhuma alteração que justifique o quadro, o que leva a um diagnóstico de constipação funcional”, afirma a gastroenterologista.

O tratamento da constipação envolve mudanças na dieta, com a inclusão de alimentos ricos em fibras, como frutas e vegetais. Além disso, é essencial manter-se hidratado, consumindo pelo menos 2 litros de água por dia, pois a água auxilia na formação do bolo fecal e na evacuação. A prática regular de exercícios físicos, como caminhadas ou bicicleta, também estimulam o funcionamento intestinal.

No entanto, caso essas medidas não sejam suficientes para melhorar a constipação, medicamentos laxativos podem ser prescritos. É importante destacar que o uso prolongado de laxativos deve ser acompanhado por um médico, a fim de evitar efeitos indesejados e dependência desses medicamentos.

Síndrome do intestino irritável

A síndrome do intestino irritável é outro distúrbio gastrointestinal comum. Segundo o Colégio Americano de Gastroenterologia, ela afeta de 10 a 15% dos norte-americanos e é mais prevalente em mulheres do que em homens.

Seus sintomas incluem cólicas abdominais, acompanhadas de diarreia ou constipação, inchaço e gases. Assim como a dispepsia funcional, a síndrome do intestino irritável é uma condição na qual não é encontrada uma causa orgânica que justifique os sintomas.

“O diagnóstico é baseado principalmente na avaliação clínica, a depender do histórico do paciente. No entanto, em pessoas com mais de 45 anos, a gente costuma solicitar uma colonoscopia como medida preventiva para detectar possíveis casos de câncer de intestino”, diz a médica do Hospital Oswaldo Cruz.

A investigação pode incluir exames de fezes para descartar inflamações no intestino e verminoses. “Muitas vezes, todos os exames apresentam resultados normais e a gente conclui que é síndrome do intestino irritável, uma patologia relacionada à motilidade intestinal”.

O tratamento é direcionado para o alívio dos sintomas predominantes. Analgésicos reduzem a dor, enquanto outros fármacos ajudam a prender ou a soltar o intestino.

Segundo a médica, a dieta desempenha um papel importante na síndrome do intestino irritável, mais até do que na dispepsia funcional. A recomendação é que a pessoa evite ingerir alimentos que causem gases, como leite e derivados, vegetais crucíferos (brócolis, couve-flor, repolho) e grãos (feijão, grão de bico, ervilha, lentilha).

A dieta é combinada com medicação e, quando necessário, tratamento para condições psicológicas que possam desencadear crises. “Na maioria das vezes, a síndrome do intestino irritável está associada a hábitos alimentares e estado emocional. Essa é aquela patologia em que o paciente às vezes conta que foi fazer uma prova e teve diarreia”, relata a médica.

Data: 05/07/2023 Fonte: Revista Marie Claire Online - SP

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store