A DROGA DA VEZ

Batemos um papo com a Dra. Lívia Porto, endocrinologista do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, sobre a semaglutida, medicação que se popularizou por sua eficácia no tratamento da obesidade.

Inicialmente indicada para o diabetes tipo 2, a semaglutida foi liberada pela Anvisa no começo deste ano para tratamento da obesidade, mas seu uso indiscriminado tem levantado diversas polêmicas. Quais riscos que utilizar o medicamento sem orientação médica pode oferecer?

DRA. LÍVIA PORTO. A semaglutida foi estudada para o tratamento do diabetes tipo 2 e, depois, da obesidade. Então, quando falamos em benefício e risco potenciais, só temos dados e parâmetros de segurança para esses pacientes, e não para pessoas que querem apenas emagrecer. É importante distinguir uma coisa da outra. A obesidade e o diabetes são doenças que requerem tratamento multidisciplinar, e a medicação é orientada considerando histórico e necessidades daquele paciente. Além disso, a posologia é muito importante: o uso de doses inadequadas ou da progressão de doses inadequadas pode levar a efeitos colaterais mais intensos e outros problemas sérios, como desidratação e até sobrecarga de alguns órgãos, por exemplo. Por isso, a recomendação é que a semaglutida não seja utilizada apenas para a perda de peso e sem indicação e acompanhamento médico.

Quais são os benefícios da semaglutida?

Além da eficácia na perda de peso e dos efeitos positivos na saúde, já que estudos demonstraram seu impacto na redução da gordura no fígado, por exemplo, a semaglutida tem um bom índice de segurança. Atualmente, esses fármacos análogos ao GLP-1 [hormônio produzido pelo nosso organismo], como a semaglutida e a liraglutida, não têm ação nos nossos neurotransmissores, então não causam alterações comportamentais – como aumento de sono ou insônia, agressividade, ansiedade, irritabilidade etc. – e nem concorrem com remédios psiquiátricos, por exemplo.

Há um limite de tempo de uso da semaglutida?

Isso deve ficar a critério do especialista que recomenda o tratamento, mas, pela droga em si, não. Este também é um benefício importante quando falamos de doenças crônicas, como obesidade e diabetes, já que não há restrição de tempo de uso da semaglutida. Antes, a gente tinha essa dificuldade de tratar doenças crônicas com remédios com tempo de uso limitado. Agora, sentimos mais segurança em conduzir o manejo da enfermidade sem essa restrição, ou seja, se for necessário e indicado clinicamente, a semaglutida pode ser uma medicação de uso crônico.

Algumas pessoas relatam que, apesar da eficiência da droga, após a suspensão do uso, o apetite voltou ao normal e ganharam peso novamente. Como garantir a manutenção do resultado a longo prazo?

Aqui estamos falando novamente da forma como a semaglutida vem sendo usada. A indicação correta, ou seja, para o tratamento de uma doença crônica como a obesidade, aliada a outras medidas – que podem envolver reeducação alimentar, rotina de exercícios físicos, acompanhamento terapêutico e, em alguns casos, intervenção cirúrgica –, é fundamental para essa manutenção. Se a pessoa decidir usar o remédio por conta própria, sem respeitar a posologia adequada e suspender seu uso quando chegar no resultado, voltando à rotina anterior, ela com certeza vai ter dificuldade em manter o peso que conquistou. Então vale relembrar: obesidade é uma doença crônica e deve ser tratada como tal – com cuidados para toda a vida.

Endocrinologia Obesidade Entrevista Texto

Veja Também

Leve Com Você
SOBRE VOCÊ

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store