Tabu masculino: Disfunção erétil

A disfunção erétil ou impotência sexual masculina é caracterizada pela incapacidade de obter ou manter uma ereção firme do pênis para uma relação sexual. E, apesar de não apresentar estimativas exatas, atinge uma parcela significativa dos homens e é a doença menos tratada no mundo. Alguns estudos recentes mostram que a incidência aumenta com a idade. Cerca de 4% dos homens aos 40 anos e quase 20% aos 60 anos apresenta total incapacidade de alcançar ereção. A incidência sobe para 50% em homens com mais de 75 anos.

Os problemas relacionados à disfunção erétil, que pode estar presente mesmo quando há desejo sexual e orgasmo, vão além dos empecilhos sexuais e podem ser indícios de outras doenças, como as cardiovasculares, os cânceres, as do aparelho respiratório e da próstata. O médico urologista do Instituto da Próstata e Doenças Urinárias do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Luciano Nesrallah, esclarece, a seguir, as causas e tratamentos envolvidos na disfunção erétil, e ressalta a importância de romper a barreira cultural masculina em não procurar um médico ou até mesmo falar sobre o assunto.

As causas e fatores de risco

Inicialmente, é importante esclarecer que a dificuldade esporádica de manter uma ereção pode estar relacionada a quadros de ansiedade e estresse e representam 20% dos casos. Já a disfunção erétil normalmente é caracterizada como tal em um período superior a três meses ou mais, e, geralmente, apresenta uma causa física, como doenças, lesões ou efeitos colaterais de medicamentos.

Doenças como diabetes, obesidade, cardiovasculares e renais são responsáveis por 70% dos casos de impotência sexual. No caso de doenças cardiovasculares, por exemplo, a disfunção pode ser o primeiro sinal da patologia e é mais evidente em homens mais velhos, fumantes e com pressão arterial elevada.

Além das doenças, como a ereção exige uma sequência de eventos – impulsos nervosos do cérebro, da coluna vertebral e ao redor da área do pênis, bem como uma resposta aos músculos, tecidos fibrosos, veias e artérias – qualquer distúrbio que interrompa essas ações, cause lesão dos nervos ou do fluxo sanguíneo do pênis pode causar a disfunção erétil. Danos físicos ao pênis, na medula espinhal ou na pelve também podem desencadear o problema.

Em outros casos, a ingestão de alguns medicamentos, entre eles anti-hipertensivos, anti-histamínicos, antidepressivos e tranquilizantes, e/ou uso de drogas ilícitas (entorpecentes) podem desencadear a impotência.

Tratamento e prevenção

“Em todos os casos acima, é importante tomar muito cuidado antes de iniciar um tratamento, que precisa ser analisado de maneira personalizada para cada paciente”, afirma o dr. Luciano Nesrallah. De maneira geral, no inicio do tratamento, o paciente precisará adotar medidas básicas, como cessação do tabagismo, redução do consumo de álcool, dieta e atividade física. Essas simples mudanças no estilo de vida podem ajudar a recuperação da função sexual.

O médico também deverá fazer uso de medicamentos substitutos para o caso de drogas que possam causar a impotência. Entre outras medidas que podem ser estabelecidas durante o tratamento, estão:

Psicoterapia – São utilizadas técnicas que diminuem a ansiedade associada à relação sexual. A parceira do paciente pode ajudar com as técnicas, que incluem o desenvolvimento gradual de intimidade e estímulo. Essas técnicas também podem ajudar a aliviar a ansiedade durante o tratamento para disfunção erétil de causas físicas.

Medicações orais – Em 1998 surgiu a primeira pílula para tratar a disfunção erétil, o sildenafil, e posteriormente foram lançados, o vardenafil e o tadalafil. Essas medicações pertencem a uma classe chamada de inibidores de fosfodiesterase, que quando tomados uma hora antes da atividade sexual, atuam aumentando os efeitos do óxido nítrico, uma substância química que relaxa a musculatura lisa do pênis durante a estimulação sexual, permitindo um maior fluxo de sangue. Porém são apresentados alguns efeitos colaterais associados ao uso dos inibidores da fosfodiesterase, que são: dores de cabeça, rubor facial e dor de estômago. Também podem causar alguns problemas visuais, incluindo um aumento da sensibilidade à luz e visão turva. Homens que já tomam medicamentos que contenham nitratos, tais como nitroglicerina (para angina), são desaconselhados a usar essas drogas.

Injeção peniana – A injeção de drogas como alprostadil diretamente nos tecidos do pênis relaxam os músculos dos corpos cavernosos e aumentam o fluxo sanguíneo promovendo uma ereção.

Cirurgia – O implante de dispositivos, conhecidos como próteses, pode restaurar a ereção em homens com disfunção erétil. Estes dispositivos podem ser semirrígidos ou infláveis. As próteses são inseridas nos corpos cavernosos para permitir que o paciente ajuste manualmente a posição do pênis (semirrígidas). Alternativamente, cilindros infláveis podem ser inseridos dentro do pênis e expandidos usando fluido pressurizado.

Como acontece a ereção

O pênis contém duas câmaras cilíndricas que são preenchidas por tecido esponjoso chamados de corpos cavernosos. Quando um homem torna-se sexualmente excitado, impulsos iniciados no cérebro chegam até os nervos que fazem os músculos dos corpos cavernosos relaxarem, permitindo que o sangue preencha os espaços dentro do pênis, aumentando a pressão nos corpos cavernosos, fazendo o pênis se expandir. Uma membrana chamada túnica albugínea ajuda a armazenar o sangue nos corpos cavernosos, sustentando a ereção.