Sociedades médicas defendem um novo critério de indicação para a cirurgia metabólica no Brasil

Índice será baseado em escore de riscos.

São Paulo, 23 de fevereiro de 2015 – A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima 347 milhões de casos de diabetes em todo o mundo, o que representa cerca de 5% da população. No Brasil, dados do Ministério da Saúde indicam que aproximadamente 11% da população têm diabetes. Considerada uma epidemia mundial, a enfermidade está relacionada ao sedentarismo, a dietas pouco saudáveis e ao aumento da obesidade.

Segundo Dr. Ricardo Cohen, coordenador do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz , Ex-Presidente e atual Presidente do Conselho Consultivo e Fiscal da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, para auxiliar a controlar esse cenário, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO) e o Colégio Brasileiro de Cirurgiões (CBC) e o Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva (CBCD) se uniram para traçar uma nova forma para determinar o tratamento da obesidade, do diabetes e doenças crônicas associadas, com base num escore de riscos, não apenas no índice de massa corpórea (IMC).

Esse escore deverá ser submetido à aprovação pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). O Escore de Risco Metabólico (ERM) considera diversos fatores de risco para a saúde do paciente e, assim, permite a avaliação do quadro clínico geral do paciente para determinar critérios de elegibilidade e priorização para realização de cirurgia metabólica.

Essa mudança permitirá classificar o paciente de acordo com os riscos relacionados às doenças e não restringe apenas ao cálculo de índice de massa corpórea (IMC). Dr. Ricardo Cohen explica que “sem dúvida, a utilização isolada do IMC discrimina sexo, idade, grau de aptidão física e raça dos pacientes portadores de obesidade e/ou Diabetes Mellitus Tipo 2. O critério atual não leva em consideração riscos cardiovasculares ou a quantidade e distribuição de gordura corpórea, fator que agrava a síndrome metabólica. O IMC isoladamente não prevê se qualquer tratamento, seja clínico ou intervencionista, terá sucesso ou não. Com o Escore de Risco Metabólico é possível ampliar a indicação da cirurgia metabólica e permitir que mais paciente tenham o controle da doença, evitando os danos comuns associados”.

O especialista explica que, diante de diversas evidências clínicas, no Brasil, é necessária a adoção de outros parâmetros, além do IMC, como critérios de indicação cirúrgica para pacientes com Diabetes Mellito tipo 2 não adequadamente controlados. O Escore de Risco Metabólico é feito por meio de uma análise criteriosa e personalizada do quadro clínico do paciente. O novo método envolve indicadores básicos e pelo menos 10 pontos computados pelos indicadores complementares:

Indicadores básicos

  • Pacientes com histórico de DMT2 por pelo menos 5 anos;
  • Idade mínima de 30 anos;
  • Hemoglobina glicosilada acima de 8%, mesmo em tratamento regular orientado por endocrinologista;
  • Indicação cirúrgica pelo endocrinologista;
  • IMC cima de 30 kg/m².

Indicadores complementares

1. Índice de massa corporal (IMC) acima de 30 kg/m²: IMC de 30 conta 1 ponto e mais 1 ponto para cada ponto de IMC acima dos 30 kg/m²;
2. Presença de doença microvascular ativa: nefropatia ou neuropatia ou retinopatia: 2 pontos;
3. Insulinemia em jejum alta: 1 ponto;
4. Hipertensão arterial sistêmica (HAS): 2 pontos;

5. Dislipidemia (com ou sem uso de medicamentos): 2 pontos, definida por:
a. Colesterol total acima 200 e/ou;
b. Colesterol LDL acima de 100 e/ou;
c. Triglicérides acima de 200 e/ou;
d. Colesterol não HDL acima de 130.

6. Eventos macrovasculares: 2 pontos:
a. Coronariopatia e/ou;
b. IAM prévio e/ou;
c. AVC prévio.

7. Circunferência de cintura: 1 ponto:
a. Superior a 102 cm para homens;
b. Superior a 88 cm para mulheres.

8. Esteato-hepatite não alcoólica diagnosticada por aumento das enzimas hepáticas e/ou ressonância nuclear magnética (RNM) e/ou elastografia hepática e/ou aumento de ferritina: 1 ponto;
9. Espessura da camada íntima da carótida superior a 0,6 mm: 1 ponto;
10. Apneia do sono: moderada: 1 ponto ou grave: 2 pontos;
11. Histórico familiar de eventos cardiovasculares (infarto agudo do miocárdio (IAM), acidente vascular cerebral (AVC)) ou de insuficiência renal (IR), neuropatia ou retinopatia: 1 ponto.

Atualmente, a indicação da cirurgia metabólica em pacientes não obesos mórbidos, isto é com IMC menor que 35 kg/m² como opção terapêutica para controlar o Diabetes tipo 2 foi comprovada com uma pesquisa realizada em 2012, pelo IECS – Instituto de Educação e Ciências em Saúde do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, e coordenada por Dr. Ricardo Cohen, que demonstrou o controle da doença em 88% dos pacientes e com expressiva melhora em 11% com seguimento a longo prazo.

Outra pesquisa inédita, em fase de recrutamento, está sendo coordenada pelo especialista e também realizada no IECS, com o objetivo de comprovar os benefícios do tratamento cirúrgico em comparação ao melhor tratamento clínico para doenças microvasculares decorrentes do Diabetes tipo 2, como as retinianas, renais e neuropatias. Com previsão de conclusão para 2015, a investigação inclui pacientes com história de Diabetes há 15 anos ou menos e com Índice de Massa Corpórea (IMC) entre 30 e 35 kg/m

Os pacientes que atenderem aos critérios e tiverem interesse em participar devem entrar em contato pelo e-mail obesidade@haoc.com.br.

Sobre a Cirurgia Metabólica

As cirurgias para o controle do diabetes tipo 2, chamadas de metabólicas, envolvem principalmente a modificação do caminho dos alimentos pelo tubo digestivo. Evitando-se a passagem da comida pela porção inicial do intestino, existe imediata diminuição da resistência dos tecidos à ação da insulina, independente da perda de peso, configurando o que chamamos ação antidiabética direta dos procedimentos. Além disso, existe aumento de secreção de hormônios intestinais que regulam a fome, a saciedade e também melhora a secreção de insulina pelo pâncreas. Essa somatória entre menor ingestão de alimentos e aumento da saciedade leva ao emagrecimento, que é importante a longo prazo também para o controle do diabetes e de eventuais outras doenças associadas, como a hipertensão, apneia do sono, entre outras.

Sobre o Hospital Alemão Oswaldo Cruz

O Hospital Alemão Oswaldo Cruz, um dos melhores centros hospitalares da América Latina, é referência em serviços de alta complexidade, com foco em Oncologia, Cardiologia, Neurologia, Ortopedia e Traumatologia, Doenças Digestivas, Obesidade e Diabetes. Fundado em 1897 por um grupo de imigrantes de língua alemã, o Hospital possui uma das maiores casuísticas do país e concentra seus esforços na busca permanente da excelência do atendimento integral, individualizado e qualificado ao paciente, além de investir fortemente no desenvolvimento científico, por meio do ensino e da pesquisa. Com mais de 96 mil m² de área construída, o Hospital dispõe de 327 leitos de internação, sendo 22 salas de cirurgia, 44 leitos na Unidade de Terapia Intensiva e Pronto Atendimento 24 horas. Além disso, oferece uma das mais qualificadas assistências do país e Corpo Clínico renomado, para que os pacientes tenham acesso aos mais altos padrões de qualidade e de segurança no atendimento, atestados pela certificação da Joint Commission International (JCI) – principal agência mundial de acreditação em saúde.
Hospital Alemão Oswaldo Cruz – www.hospitaloswaldocruz.org.br.

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store