Inverno aumenta risco de morte de fumante por infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e doença pulmonar obstrutiva crônica

O alerta é feito por pneumologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

No inverno, o ar fica mais frio e seco, e a inversão térmica provoca o aumento de poluentes, como o dióxido de enxofre e outras partículas tóxicas. Resultado: a mucosa que reveste as narinas fica ressecada, assim como a garganta e os brônquios. A situação piora com a fumaça do cigarro, que já sai de uma brasa a poucos centímetros da boca, carregada de milhares de substâncias tóxicas.

“Isso contribui para que as agressões costumeiras do inverno potencializem os danos pulmonares. Há um significativo aumento da chance de exacerbar ou desenvolver doenças respiratórias nesta época, como gripe, resfriado, pneumonias, bronquiolites, asma e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)”, afirma Ciro Kirchenchtejn, pneumologista e coordenador do Centro de Tratamento do Tabagismo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Segundo o médico, até os anos 50, os malefícios causados pelo cigarro eram subestimados. Mas durante alguns invernos da última década, pesquisas e observações realizadas na Inglaterra e nos Estados Unidos mostraram um aumento importante das visitas de fumantes aos prontos-socorros, assim como um crescimento da mortalidade de indivíduos com queixas respiratórias crônicas.

“Por esse motivo, os tabagistas apresentam maior risco de desenvolver infarto do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais (AVCs) e DPOCs – que pioram sensivelmente nesta época -, aumentando a chance de morte durante o inverno”, ressalta Kirchenchtejn.

Conscientização

No Centro de Tratamento de Tabagismo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz o tabagismo é considerado uma doença crônica. O foco não está na “falta” de força de vontade como fator de insucesso, mas na conscientização do fumante sobre sua real condição: portador de uma doença que causa profundas alterações cerebrais e comportamentais.

Para que o fumante enfrente a falta do cigarro com maior consciência, é oferecido suporte psicológico e de medicamentos. Os pacientes são recebidos com acolhimento, sem críticas agressivas e com um plano terapêutico possível de cumprir. Há ainda suporte nutricional para que o fumante não engorde ao parar de fumar e acompanhamento próximo para que não ocorram recaídas no processo.

“Os fumantes precisam tomar consciência de que não fumam porque têm prazer, mas porque são dependentes da nicotina. É necessário pensar, acima de tudo, no risco enorme de desenvolver doenças incapacitantes e letais”, ressalta o pneumologista.

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store