Hospital Alemão Oswaldo Cruz alerta a população sobre a importância da doação de órgãos e tecidos

A Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO) realiza anualmente, no mês de setembro, a Campanha Nacional de Doação de Órgãos, denominada “Setembro Verde”.

Com o intuito de conscientizar a sociedade sobre o processo de doação de órgãos e tecidos e da importância de informar aos familiares sobre o desejo de ser um doador, a Comissão Intra Hospitalar de Doação de órgãos e Tecidos para Transplantes (CIDHOTT) do Hospital Alemão Oswaldo Cruz prepara para este mês, iniciativas baseadas nesse tema.

No dia 21 de setembro, quarta-feira, das 14h às 17h, a Comissão do Hospital realiza um ciclo de palestras com médicos e profissionais da Central de Transplantes e da Organização de Procura de Órgãos da Santa Casa de São Paulo, que lidam diariamente com doadores e seus familiares, no auditório do Hospital.

O panorama sobre a fila de transplantes no País e suas problemáticas, a abordagem com os familiares e a captação de possíveis doadores serão os temas apresentados durante o evento pelos especialistas. A fachada da Instituição também ficará iluminada de verde, cor tema da campanha, durante todo o mês de setembro.

Além disso, o Hospital preparou uma exposição de desenhos sobre o tema elaborados por alunos do colégio alemão Benjamin Constant, que também farão uma apresentação de dança típica alemã. A mostra é resultado de um ciclo de palestras feitas pela equipe de transplantes do Hospital junto aos estudantes do tradicional colégio paulistano, que impactou mais de 400 jovens entre 13 a 17 anos. Dos 74 trabalhos selecionados, a comissão irá escolher cinco, um de cada turma, e os alunos serão premiados no auditório do Hospital.

Doação de órgãos em números

De acordo com a ABTO, no primeiro semestre deste ano, 33.200 pessoas no Brasil estavam inscritas na fila de transplante. Ainda segundo dados da associação, o número de doadores efetivos de órgãos no país subiu de 13,1 para 14 por milhão de habitantes no segundo trimestre de 2016. Apesar do aumento, o número ainda está abaixo do previsto – de 16 por milhão de habitantes -, e ainda há 45% de recusa familiar na autorização da doação.

Segundo Dr. Philip Bachour, Coordenador do Transplante de Medula Óssea do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, no caso de doadores falecidos, quando é comprovada a morte encefálica, o motivo das famílias não autorizarem a doação de órgãos está ligado ao desconhecimento. “Ainda é preciso trabalhar muito para que os números atinjam a média. As campanhas de conscientização sobre o tema são importantes para esclarecer e desmitificar as principais dúvidas da sociedade relacionadas à doação”, diz.

O especialista afirma que é importante as famílias introduzirem essa conversa em suas rotinas. “Muitas pessoas apontam que desconheciam a vontade do familiar sobre a doação. Pode parecer estranho conversar sobre isso quando estamos totalmente saudáveis, mas ter essa abordagem durante o dia a dia, com calma, é mais fácil de elucidar do que em um momento crítico em que a família está abalada”, explica.

Já em relação ao transplante de medula óssea – tecido que fica no interior dos ossos e é responsável pela produção das células do sangue e das células de defesa como as hemácias (glóbulos vermelhos), leucócitos (glóbulos brancos) e as plaquetas -, o Brasil tem o terceiro maior registro de doadores do mundo, com 4,5 milhões de voluntários, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e da Alemanha. Nesses casos, o transplante pode ser autogênico, quando a medula vem do próprio paciente ou alogênico, quando vem de um doador.

“Dentro de poucas semanas após o procedimento, a medula óssea do doador fica inteiramente recuperada. A doação é uma ação 100% segura e altruísta”, esclarece o Dr. Bachour. Segundo a ABTO, no primeiro semestre foram realizados 976 transplantes de medula em todo o Brasil.

A doação de órgãos, como coração, pulmão, córneas, pâncreas e ossos, só é realizada após a constatação de morte encefálica, isto é, quando há interrupção irreversível das atividades cerebrais do indivíduo. Em caso de doadores vivos, realiza-se a doação de órgãos, como o rim, fígado e medula óssea.

Programação palestras – 21/9
14h-14h15 –Abertura – Superintendência Médica e Assistencial.

14h15- 14h45 – Panorama Atual dos Transplantes no Brasil – Dr. Agenor Spallini Ferraz.

14:45 as 15:15 – Morte Encefálica e o problema da Doação de órgãos no Brasil – Dr. Reginaldo Boni (Organização de Procura de Órgãos da Santa Casa de São Paulo).

15h15-15h45 – Abordagem e entrevista familiar – Enfermeira Priscilla Fukunaga (Organização de Procura de Órgãos da Santa Casa de São Paulo).

15h45-16h – Apresentação da Ação Educativa externa e Divulgação dos trabalhos premiados: Colégio Benjamin Constant – CIHDOTT.

16h10-16h30 – Apresentação do grupo de Dança Alemã – Colégio Benjamin Constant.

16h30 – Convite para conhecer a Exposição do Colégio Benjamin Constant e Coffee Break.

Sobre o Hospital Alemão Oswaldo Cruz

O Hospital Alemão Oswaldo Cruz, um dos melhores centros hospitalares da América Latina, é referência em serviços de alta complexidade. Fundado em 1897 por um grupo de imigrantes de língua alemã, o Hospital possui uma das maiores casuísticas do país e concentra seus esforços na busca permanente da excelência do atendimento integral, individualizado e qualificado ao paciente, além de investir fortemente no desenvolvimento científico, por meio da educação e da pesquisa. Com mais de 96 mil m² de área construída, o Hospital dispõe de 321 leitos de internação, 44 leitos instalados na Unidade de Terapia Intensiva, 22 salas de cirurgia e Pronto Atendimento 24 horas. Além disso, oferece uma das mais qualificadas assistências do país e Corpo Clínico renomado, para que os pacientes tenham acesso aos mais altos padrões de qualidade e de segurança no atendimento, atestados pela certificação da Joint Commission International (JCI) – principal agência mundial de acreditação em saúde.

Hospital Alemão Oswaldo Cruz –www.hospitaloswaldocruz.org.br.

Informações para a imprensa

Conteúdo Comunicação
Maria Teresa Moraes –mariateresa.moraes@conteudonet.com.
Alessandra Miranda –alessandra.miranda@conteudonet.com.
Bianca Amorim –bianca.amorim@conteudonet.com.
Roberta Montanari –robertamontanari@conteudonet.com.
Claudio Sá – claudio.sa@conteudonet.com
Tel.: 11 5056-9817 / 5056-98009-9575-5872.

Gerência de Marketing e Comunicação Institucional

Melina Beatriz Gubser –mgubser@haoc.com.br.
Michelle Barreto –msbarreto@haoc.com.br – Tel.: (11)3549-0852.
Rafael Peciauskas –rpeciaukas@haoc.com.br – Tel.: (11) 3549-0096.

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store