Gordura no fígado: casos de esteatose hepática crescem no país

A doença pode ser controlada com alimentação saudável e exercícios físicos. Exames de imagem podem ajudar o diagnóstico

São Paulo, 25 de março de 2021 – A esteatose hepática, geralmente chamada de “gordura no fígado”, é considerada a doença mais comum deste órgão em grande parte dos países industrializados e está associada a fatores de risco como diabetes tipo 2, obesidade, síndrome metabólica e dislipidemias, causadas por elevados níveis de gordura no sangue. Também está associada ao uso de anabolizantes ou exposição a produtos químicos nocivos ao órgão.

De acordo com o Dr. Raphael di Paula, cirurgião oncológico e coordenador do grupo de Fígado, Pâncreas e Vias Biliares do Centro Especializado em Aparelho Digestivo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, pessoas não consideradas obesas ou com sobrepeso pelo índice de massa corpórea também podem estar acometidas sem saber. “Ela é uma doença silenciosa, que não apresenta sinais muito evidentes de seu desenvolvimento, podendo causar vários problemas. Existe um componente genético. Mas não se sabe exatamente todos os fatores que causam a esteatose, sendo que o estilo de vida do paciente pode agravar uma condição já existente”, avisa.

Embora o Brasil não conte com informações oficiais sobre a doença, o número de casos tem aumentado no país e no mundo, segundo o especialista, principalmente em pessoas com mais de 40 anos, mas também tem sido possível perceber um aumento no número de crianças e adolescentes diagnosticadas com a doença, devido a fatores genéticos e sedentarismo, associados à ingestão de alimentos industrializados.

Para o cirurgião, o aumento do número de diagnósticos está ligado também a um maior número de pessoas que têm feito exames de ultrassonografia de rotina, capazes de identificar a doença. “Um ultrassom abdominal, se bem feito, pode identificar alguma irregularidade, indicando a necessidade de outros estudos de imagem e, até mesmo, biópsia, para que se saiba o grau e iniciar o tratamento o mais precoce possível”, avalia.

Problemas decorrentes

De acordo com di Paula, a esteatose pode se apresentar em três estágios: leve, moderada ou grave. Nos casos graves, o paciente pode apresentar uma esteatohepatite que, se não tratada, tem grande chance de evoluir para uma cirrose hepática e, nos casos mais graves, a câncer no fígado.

Atualmente, o tratamento da doença é feito com mudanças no estilo de vida do paciente, baseado em uma dieta mais saudável, evitando-se a ingestão de alimentos processados. Exercícios físicos aeróbicos, praticados com regularidade, também fazem parte do controle da enfermidade. Inúmeras drogas têm sido testadas, mas ainda sem comprovação científica de eficácia.

Recomendações

O médico explica que a esteatose hepática mostra poucos sinais de sua presença e que, na maioria das vezes, os pacientes são assintomáticos. Em alguns casos, no entanto, a doença pode provocar fadiga ou desconforto abdominal. Normalmente, é diagnosticada por meio de exames de imagens, como ultrassonografia, tomografia ou ressonância magnética, além de uma biópsia para determinar o grau. “A realização de um acompanhamento regular com eu médico é importante porque ele pode solicitar exames que podem ajudar a diagnosticar a doença mais cedo.Manter um estilo de vida saudável, com alimentação balanceada, exercícios físicos e pouca ou nenhuma ingestão de álcool também auxiliam no não agravamento da doença também são indicados”, afirma.

Sobre o Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Fundado em 1897 por um grupo de imigrantes de língua alemã, o Hospital Alemão Oswaldo Cruz é um dos maiores centros hospitalares da América Latina. Com 123 anos de atuação, é referência em serviços de alta complexidade e ênfase em Oncologia e Aparelho Digestivo. Para que os pacientes tenham acesso aos mais altos padrões de qualidade e de segurança no atendimento, atestados pela certificação da Joint Commission International (JCI) – principal agência mundial de acreditação em saúde -, o Hospital conta com um corpo clínico renomado, formado por mais de 4 mil médicos cadastrados ativos, e uma das mais qualificadas assistências do país. Sua capacidade total instalada é de 805 leitos, sendo 582 deles na saúde privada e 223 no âmbito público. Desde 2008, atua também na área pública como um dos seis hospitais de excelência do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS) do Ministério da Saúde.

Hospital Alemão Oswaldo Cruz – https://www.hospitaloswaldocruz.org.br/

Informações para a imprensa
Conteúdo Comunicação

Maria Teresa Moraes (mariateresa.moraes@conteudonet.com) – Tel.: (11) 99575-5872
Alessandra Miranda (alessandra.miranda@conteudonet.com) – Tel.: (11) 98460-3733
Mayara Toni (mayara.toni@conteudonet.com) – Tel.: (11) 94480-8372
Nicole Kloeble (nicole.kloeble@conteudonet.com) – Tel.: (11) 99978-6566
Roberta Montanari (robertamontanari@conteudonet.com)
Claudio Sá (claudio.sa@conteudonet.com)

Gerência de Comunicação Corporativa do Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Melina Beatriz Gubser – mgubser@haoc.com.br
Michelle Barreto – msbarreto@haoc.com.br
Rafaela Rosas – rrosas@haoc.com.br
Bianca Ribeiro – biribeiro@haoc.com.br

Data: 25/03/2021

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store