Estudo conduzido por cardiologistas do Hospital Alemão Oswaldo Cruz mostra que as mulheres têm maior risco de morte por infartos do que os homens

Pesquisa premiada pela Sociedade Latino-Americana de Cardiologia Intervencionista avaliou dados de mais de 250 milhões de pacientes de 19 países disponíveis na plataforma TriNetX

São Paulo, 06 de novembro de 2023 – Um estudo conduzido pela equipe de cardiologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz baseado na análise dos dados da Plataforma TriNetx, concluiu que a mortalidade de pacientes do sexo feminino após infarto agudo do miocárdio (IAM) é maior que a de pacientes do sexo masculino. Após 30 dias da ocorrência do IAM a mortalidade entre as mulheres era de 5,75% enquanto nos homens era de 4,6% (diferença estatisticamente significante). Já após um ano do evento, o percentual de mulheres que não sobreviveram ao infarto foi ainda maior (11,1%) em comparação aos homens (8,93%). O infarto ocorre quando há um bloqueio repentino do fluxo sanguíneo em uma artéria coronária, que levaria sangue para uma parte do músculo cardíaco, correspondendo a uma das principais causas de mortalidade para doenças cardiovasculares.

A base de dados estudada, a plataforma TriNetx, é composta por mais de 250 milhões de pacientes maiores de 18 anos, de ambos os sexos que foram atendidos em 120 hospitais, dentre eles o Hospital Alemão Oswaldo Cruz, de 19 países. As informações foram extraídas de registros médicos eletrônicos dos últimos dez anos da TriNetX, rede global que compartilha em tempo real dados clínicos longitudinais para geração de evidências científicas. A pesquisa conduzida pelos especialistas do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, parceiro desta plataforma no Brasil, foi premiada como um dos cinco melhores trabalhos apresentados no Congresso da Sociedade Latino-Americana de Cardiologia Intervencionista e da Sociedade Brasileiro de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista, realizado em agosto.

De acordo com o cardiologista e coordenador da hemodinâmica do Centro Especializado em Cardiologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Dr. Hélio Castello, as mulheres que sofreram infarto apresentaram mais fatores de riscos para desenvolverem doenças cardiovasculares em relação aos homens, tais como a hipertensão: os homens correspondem a (40%) e as mulheres (50%), diabetes: homens (20%) e mulheres (25%), sobrepeso: homens (10%) e mulheres (16%) e dislipidemia: homens (30%) e mulheres (38%).

Segundo o especialista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, o estudo concluiu que as mulheres são mais sensíveis do que os homens e têm mais fatores de risco associados, que somados aumentam o risco de infarto agudo do miocárdio. Por conta desta vulnerabilidade, elas apresentam maior probabilidade de não sobreviverem a episódios cardiovasculares.

O cardiologista afirma ainda que o estudo traz conclusões que servem de alerta para a comunidade médica e assistencial. “É importante que toda a cadeia de profissionais de saúde valorize as queixas das mulheres que chegam diariamente aos serviços médicos e hospitalares. Precisamos realizar um atendimento mais intenso, minucioso e humanizado com as pacientes para que elas conheçam e saibam identificar os sintomas cardiovasculares e, a partir desta consciência, fiquem mais atentas aos fatores de riscos que podem piorar o desfecho clínico”, afirma o Dr. Castello. “Observamos, também, com os dados coletados no estudo, que as mulheres fazem menos cateterismo em relação aos homens e acabam sendo subestimadas em relação ao infarto, porque provavelmente suas queixas clínicas foram menos valorizadas”, esclarece.

Mulheres devem ter preferência no atendimento de urgência

O médico explica ainda que quando homem e mulher acima dos 50 anos chegam ao mesmo tempo em um pronto atendimento, com os mesmos sintomas de infarto, a preferência no atendimento deve ser da mulher. “Embora as mulheres tenham menos infarto do que os homens, elas tendem a apresentar quadros mais graves da doença, com maior risco de morrer em relação aos homens, pois apresentam artérias mais finas e têm uma tendência de apresentar sintomas mais simples. Por isso acabam sendo subestimadas pelos serviços de saúde”, concluiu o especialista.

Data: 06/11/2023 Fonte: Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store