Diabetes: combinação de terapias garante melhor controle da doença

O diabetes tipo 2 é uma epidemia mundial que atinge, muitas vezes de forma silenciosa, mais de 347 milhões de pessoas em todo o mundo. Considerando que o sobrepeso e obesidade, principalmente em pacientes que possuem depósito de gordura abdominal (obeso maligno), estão relacionados ao desenvolvimento do diabetes tipo 2, torna-se ainda mais preocupante saber que 35% dos adultos no mundo possuíam sobrepeso em 2008 e que a prevalência de obesidade quase dobrou entre 1980 e 2008, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A gordura localizada na região do abdome afeta negativamente a saúde, aumentando a inflamação nos órgãos e dificultando a ação da insulina. Esse tecido adiposo visceral diminui a quantidade de adiponectina no organismo, um hormônio essencial para promover o aumento da sensibilidade insulínica, absorção de glicose e efeitos anti-inflamatórios relacionados inclusive à diminuição da aterogênese e à proteção cardiovascular.

Este estado pró-inflamatório, além de aumentar a resistência à ação da insulina, provoca alterações no metabolismo de ácidos graxos e favorece ao desenvolvimento da Síndrome Metabólica com aumento da pressão arterial e da glicemia, aumento dos triglicérides e diminuição do HDL – colesterol associados ao aumento do risco cardiovascular e morte.

Segundo a Dra. Tarissa Zanata Petry, endocrinologista do Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, o tratamento do diabetes tipo 2 deve ser voltado ao tratamento das causas doença de acordo com a necessidade clínica de cada indivíduo. Atualmente, existem muitas medicações para auxiliar no controle da glicemia, cada uma agindo em determinado “defeito” que juntos levam à hiperglicemia. Geralmente, o médico recorre à associação de diferentes medicamentos para promover o controle efetivo da doença. “Como o diabetes melito é uma doença progressiva, com o passar do tempo, o pâncreas vai sofrendo morte celular e deixa de suprir a demanda de produção de insulina. Em determinada fase, o paciente precisa recorrer a aplicações de insulina para atender às necessidades do organismo”, afirma Dra. Tarissa.

O tratamento clínico, considerando as inovações terapêuticas, só permite o real controle da doença se o paciente adotar uma rotina mais saudável. “A associação entre o tratamento medicamentoso e a mudança do estilo de vida deve fazer parte da receita do médico, porque permite um controle maior da glicemia e retarda a progressão da doença”, reforça a especialista.
A médica ressalta ainda que, além da mudança do estilo de vida e do tratamento clínico convencional, em alguns casos, a cirurgia metabólica está indicada para auxiliar o controle do diabetes tipo 2, mesmo em pacientes não obesos mórbidos. Esse procedimento envolve, principalmente, a modificação do trânsito dos alimentos pelo tubo digestivo e a diminuição da resistência dos tecidos à ação da insulina, independentemente da perda de peso. Contudo, é importante que esse procedimento seja realizado de forma segura, por uma equipe qualificada e com o apoio de uma estrutura adequada, para minimizar os riscos.

No Brasil, a eficacia da cirurgia metabólica em pacientes não obesos mórbidos (com IMC menor que 35 kg/m²) como opção terapêutica para controlar o Diabetes tipo 2 foi comprovada em uma pesquisa realizada em 2012 pelo Instituto de Educação e Ciências em Saúde (IECS) do Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Liderado por Dr. Ricardo Cohen, Coordenador do Centro de Obesidade e Diabetes, o estudo demonstrou o controle da doença em 88% dos pacientes e com expressiva melhora em 11% com seguimento a longo prazo, mais de 6 anos, sendo o maior tempo de seguimento publicado nessa população.

Uma pesquisa inédita está sendo conduzida pelo Dr. Ricardo Cohen e também realizada pelo IECS, com o objetivo de comprovar os benefícios do tratamento cirúrgico em comparação ao melhor tratamento clínico para doenças microvasculares (retinianas, renais e neuropatias) decorrentes do Diabetes tipo 2. Com previsão de conclusão para 2015, a investigação inclui pacientes com história de Diabetes de até 15 anos e com IMC entre 30 e 35 kg/m². A pesquisa está em fase de recrutamento. Os pacientes que atenderem aos critérios e tiverem interesse em participar devem entrar em contato pelo e-mail: obesidade@haoc.com.br.

Sobre o Hospital Alemão Oswaldo Cruz

O Hospital Alemão Oswaldo Cruz, um dos melhores centros hospitalares da América Latina, é referência em serviços de alta complexidade, com foco em Oncologia, Doenças Circulatórias, Doenças Digestivas, Ortopedia e Traumatologia. Fundado em 1897 por um grupo de imigrantes de língua alemã, o Hospital possui uma das maiores casuísticas do país e concentra seus esforços na busca permanente da excelência do atendimento integral, individualizado e qualificado ao paciente, além de investir fortemente no desenvolvimento científico, por meio do ensino e da pesquisa.

Com mais de 96 mil m² de área construída, o Hospital dispõe de 327 leitos de internação, sendo 22 salas de cirurgia, 44 leitos na Unidade de Terapia Intensiva e Pronto Atendimento 24 horas. Além disso, oferece uma das mais qualificadas assistências do país e Corpo Clínico renomado, para que os pacientes tenham acesso aos mais altos padrões de qualidade e de segurança no atendimento, atestados pela certificação da Joint Comission International (JCI) – principal agência mundial de acreditação em saúde.

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store