Dia Mundial de Luta Contra Hepatites Virais: data busca conscientizar sobre doença silenciosa que mata milhões de pessoas todo ano

São Paulo, 25 de julho de 2023 – Levantamento recente da Abramed (Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica) aponta aumento de 56,2% no número de casos de Hepatite A registrados no primeiro semestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2022. A divulgação acontece no mês do Dia Mundial de Luta Contra Hepatites Virais (28/7). Criada em 2010, pela OMS (Organização Mundial da Saúde), a data tem por objetivo conscientizar sobre os tipos de hepatites virais e a importância de haver ações de controle da doença que causa a morte de 1,4 milhões de pessoas no mundo, seja em decorrência de infecções agudas, cirrose ou câncer hepático.

As hepatites virais são causadas por infecções muitas vezes assintomáticas, que afetam o fígado. De acordo com o Ministério da Saúde, no Brasil, as hepatites virais mais comuns são causadas pelos vírus A, B e C. Existem ainda, com menor frequência, o vírus da Hepatite D (mais comum na região Norte do país) e o vírus da Hepatite E, encontrado com maior facilidade em países da África e da Ásia.

Segundo Dr. Luís Edmundo Pinto da Fonseca, hepatologista do   Centro Especializado em Aparelho Digestivo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, as hepatites virais podem ser classificadas do ponto de vista clínico, como agudas, que duram de até seis meses, e crônicas, de mais de seis meses.

Ainda de acordo com dados do Ministério da Saúde, nas últimas duas décadas o país notificou cerca de 720 mil casos de hepatites virais. Do total, a maior incidência é de Hepatite C com 38,9% dos casos, seguido da Hepatite B (36,8% dos casos) e Hepatite A (23,4% dos casos).

O Dr. Luís Edmundo alerta que as hepatites virais podem se manifestar de diferentes maneiras e a evolução das infecções ocasionadas pelos vírus das hepatites B ou C podem resultar em estados crônicos. Isto é, seja por negligência ou dificuldade em receber diagnóstico, muitas pessoas levam anos para descobrir a infecção.

No entanto, quando ocorrem, os sintomas podem incluir cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômito, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras. “É fundamental estar ciente desses sinais para a detecção precoce e busca por tratamento adequado”, conta o médico.

Transmissão e prevenção

Hepatite A: ocorre principalmente por via fecal-oral, pelo contato inter-humano ou consumo de água e alimentos contaminados.

“É importante adotar práticas de higiene pessoal adequadas, como lavar as mãos regularmente, especialmente após o uso do banheiro e antes de manipular alimentos. Além disso, consumir água tratada e alimentos devidamente cozidos também são medidas preventivas eficazes”, explica o médico.

A vacinação contra a Hepatite A está disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e é altamente recomendada, principalmente em áreas com baixas condições de saneamento básico, devendo ser realizada em crianças de 15 meses até cinco anos incompletos.

Hepatite B: a Hepatite B pode ser transmitida pelo compartilhamento de agulhas, seringas e outros itens pessoais contaminados com sangue infectado. Ou por via sexual, sendo considerada uma infecção sexualmente transmissível (IST).

Segundo o especialista, a prevenção da Hepatite B inclui a adoção de práticas sexuais seguras, como o uso de preservativos. Além disso, a vacinação é uma medida preventiva fundamental, que deve ser administrada logo após o nascimento, a partir dos dois meses de idade, num total de três doses. Para os adultos que não foram vacinados durante a infância, também são recomendadas três doses da vacina.

Existe também a vacina combinada da Hepatite A e B, que é indicada para crianças a partir dos 12 meses, adolescentes e adultos, sendo uma ótima opção para aqueles que não foram vacinados contra ambas as hepatites.

Hepatite C: assim como a Hepatite B, a Hepatite C é transmitida principalmente pelo contato com sangue infectado, que pode ocorrer por meio do compartilhamento de seringas e agulhas contaminadas, transfusão de sangue e uso de equipamentos médicos ou de tatuagem não esterilizados.

De acordo com o hepatologista, Dr. Luís Edmundo, é essencial adotar medidas de prevenção. “Evite o compartilhamento de objetos pessoais que possam estar contaminados com sangue, sempre utilize equipamentos estéreis em procedimentos médicos, em serviços de manicure e pedicure e de tatuagem, e nunca deixe de utilizar preservativos durante as relações sexuais”, conta o médico.

O médico também chama atenção para esse tipo de hepatite, já que ainda não há vacina disponível, portanto, a prevenção baseia-se em medidas de redução de risco. Além de ser a hepatite mais letal, segundo o Ibrafig (Instituto Brasileiro do Fígado), relacionada a 74% das mortes pela doença.

Conscientização

“É fundamental enfatizar a importância da conscientização sobre as diferentes formas de transmissão das hepatites virais e da adoção de medidas preventivas adequadas. A promoção de informações precisas e o acesso a serviços de saúde são fundamentais para reduzir a incidência e o impacto das hepatites virais”, diz o especialista.

Data: 25/07/2023

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store