Dia Internacional da Segurança do Paciente – 17 de setembro

17 de setembro é o Dia Internacional da Segurança do Paciente, data implementada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que tem o objetivo de mobilizar pacientes, profissionais de saúde, pesquisadores e o setor da saúde para defender a segurança do paciente.

O Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Instituição com 122 anos de história e reacreditada pela quarta vez em 2018 pela Joint Commission International (JCI), segue 20 indicadores estratégicos, divididos em três frentes: eficiência operacional, gerenciamento de riscos e processos e desfechos com excelentes resultados assistenciais.

Um dos diferenciais do Hospital é promover o engajamento de pacientes e familiares na melhoria dos processos, até por isso foi criado o Programa Consultivo de Pacientes e Familiares, programa que faz um mapeamento minucioso da jornada e da experiência de todos os usuários. Com isso, por meio dos apontamentos oriundos desta jornada, foi possível implementar diversas melhorias na assistência do Hospital, que refletem em mais conforto e segurança para todos os pacientes.

Com esta premissa, o Hospital Alemão Oswaldo Cruz coletou depoimentos de alguns colaboradores da Instituição para que pudessem contar a experiência de cada um deles com estas iniciativas de segurança do paciente e como isso ajudou ou modificou a atuação de cada um deles:

Renata Sapata: coordenadora da Fisioterapia, há 13 anos na Instituição. Representa o capítulo Melhoria da Qualidade e Segurança do paciente da principal agência mundial de acreditação em saúde, a Joint Commission International (JCI), e também faz parte do Núcleo de Segurança do Paciente da Unidade Referenciada Oswaldo Cruz Vergueiro. Coordena uma equipe de 10 profissionais.

“Tanto na fisioterapia, como na Instituição, a cultura de segurança do paciente está presente na nossa rotina. O trabalho diário com as equipes e as campanhas de conscientização que a Instituição promove, tem o objetivo de empoderar os colaboradores quanto a sua importância dentro do processo que garante a segurança do paciente. Aqui o colaborador pode notificar qualquer evento que identificou como fragilidade ou falha no processo que poderia ter exposto o paciente ao risco. Essa ferramenta nos auxilia a melhorar os processos, identificar as falhas e criar novas barreiras de segurança.

Também temos um programa de melhoria aplicada, por meio do qual conseguimos enxergar a importância de respeitar e manter todas as fases dos protocolos, para garantir que o paciente seja tratado de forma segura e que os processos assistenciais estejam sempre em constante evolução”.

Amilton da Silva Junior: coordenador médico da UTI. Há 21 anos na Instituição e há 2 anos integrante do Núcleo de Segurança do Paciente.

“Quando a gente aprende a melhorar o cuidado, amplia o olhar para o processo como um todo, aumentando também a segurança do paciente. Dessa maneira, evitamos os riscos indesejados e os eventos adversos, e praticamos uma medicina que vai além do tratamento da doença. Nosso objetivo é fazer com que a experiência do paciente seja a melhor possível.

No momento estamos trabalhando na implantação de um sistema multidisciplinar que promove apoio à decisão clínica, fornecendo sinais que vão permitir que o médico e a equipe atuem rapidamente evitando os casos de sepse. São iniciativas como essa que enfatizam a importância da segurança do paciente”.

Karen Cristina da Conceição Silva: enfermeira e coordenadora de Projeto Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil, desde 2018. O objetivo do projeto é atuar na redução das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS), em 120 instituições de saúde vinculadas ao Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS), em colaboração com os outros 4 hospitais considerados de excelência pelo Ministério da Saúde.

“A segurança do paciente é um caminho sem volta. Quando a gente começa a trabalhar com segurança do paciente, automaticamente começa a repensar a forma de atuar no dia a dia. A gente abre uma nova dimensão em relação a quanto os processos podem melhorar em termos de conforto, qualidade de vida ou mesmo cura.

Isso modificou a minha atuação como profissional de saúde, porque me mostrou possibilidades para tornar a assistência mais segura. Tenho visto na prática o quanto os processos podem ganhar maior efetividade, mais qualidade, mesmo com pouco investimento, usando às vezes apenas o conhecimento e a criatividade dos profissionais. Segurança do paciente é um tema que não sai de moda. É constante e contínuo”.

Michael Medeiros Coelho: enfermeiro e coordenador de Projetos, trabalha no Hospital Alemão Oswaldo Cruz desde 2015. É responsável pelo projeto Reestruturação de Hospitais Públicos (RHP), que cuida da implantação de processos de qualidade e segurança em 27 hospitais de grande porte no Norte e Nordeste, com o apoio de uma equipe multidisciplinar de 14 profissionais.

“Qualidade e segurança hoje em dia é a base de qualquer processo dentro das instituições do Sistema Único de Saúde (SUS). A cultura de segurança que era mais comum às instituições privadas, é hoje essencial em projetos como o nosso, que conseguem melhorar a assistência de forma indireta e fazer com que os profissionais possam praticar uma assistência mais segura, por meio da melhoria da gestão e das boas práticas em saúde.

Segurança do paciente é hoje o principal direcionador das boas práticas hospitalares em qualquer instituição do mundo”.

Deborah Rebouças: coordenadora de Nutrição do Complexo Hospitalar dos Estivadores, trabalha no hospital desde dezembro de 2016. É responsável pelo gerenciamento de nutrição clínica (pacientes) e pela produção das refeições de todo o hospital (pacientes, acompanhantes e colaboradores).

“A segurança do paciente é um item de extrema importância em uma unidade hospitalar. Aqui no Complexo Hospitalar dos Estivadores nós trabalhamos com as seis metas internacionais, na Nutrição destacamos as metas 1, 2 e 5. A Meta 1 (Identificação do Paciente) foi estabelecida entre as copeiras, nutricionistas clínicas e lactaristas, no momento da entrega das refeições, dietas, fórmulas infantis e atendimento nutricional aos pacientes. Foram estabelecidas rotinas voltadas para a segurança no momento da manipulação de alimentos, especificamente no lactário, que envolve o monitoramento de temperatura, a guarda de amostras, laudos microbiológicos e o rastreamento dos produtos utilizados. A Meta 2 (Comunicação), com a adoção de uma ferramenta (read back) utilizada para a liberação de dietas, onde devemos repetir o nome completo da(o) paciente, data de nascimento, leito e tipo de dieta, no momento que é passado para nós as informações. Isso permite uma dupla checagem, que proporciona mais segurança ao paciente. E a Meta 5 (Higienização as Mãos), pois temos um timer na cozinha, que de tempos em tempos ele desperta, para que todos parem o que estão fazendo e vão higienizar as mãos.

Todas estas ações nos permitem, diariamente, aprimorar nossos processos na Nutrição, para que todos os pacientes tenham a melhor experiência possível em nossa instituição. Elas permitem, por exemplo, que a gente não tenha, desde a inauguração do hospital, nenhum episódio de intoxicação alimentar”.

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store