Próstata inchada: entenda o problema, sintomas, causas e tratamentos

A hiperplasia benigna da próstata é uma condição comum entre homem acima dos 50 anos e pode causar prejuízos ao aparelho urinário.

Dificuldade para urinar, idas frequentes ao banheiro durante a noite e sensação de que a bexiga não esvazia. Entre homens acima dos 50 anos, estes são alguns sinais de que a próstata pode estar aumentando de tamanho.

Popularmente chamada de “próstata inchada” ou “próstata aumentada”, a condição é conhecida pelos médicos como hiperplasia benigna da próstata.

Este é um problema bastante frequente na população masculina Aos 50 anos, metade deles pode apresentar o problema. A partir dos 70, a prevalência chega aos 90%.

A seguir, entenda mais sobre a condição e conheça seus principais sintomas e tratamentos.

O que é a hiperplasia benigna da próstata?

É o aumento do tamanho da próstata a partir do crescimento do número de células na glândula.

A próstata é a glândula masculina responsável por produzir o líquido que compõe o sêmen e ajuda a nutrir os espermatozoides. Em geral, tem dimensões semelhantes a uma noz e pesa de 20 a 30 gramas. Mas, quando o problema surge, a estrutura pode atingir o tamanho de uma bola de tênis.

Localizada em frente ao reto e embaixo da bexiga,ela envolve a uretra. Isso explica por que o exame de toque retal é usado para averiguar suas condições e também por que o aparelho urinário é o que sofre mais com a hiperplasia.

É bom ressaltar que a hiperplasia não predispõe ou protege o indivíduo de desenvolver este câncer

“A condição é benigna, ou seja, não há relação entre ela e o câncer de próstata”, afirma Carlo Passerotti, coordenador do Centro Especializado em Urologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Os especialistas indicam fazer exames regulares a fim de diagnosticar precocemente qualquer uma das condições e diferenciá-las. Até porque a hiperplasia causa seus próprios incômodos.

Sintomas da próstata inchada

Nem sempre o inchaço da próstata traz problemas ou sintomas. Quando acontecem, eles envolvem principalmente alterações no fluxo da urina. Isso porque, quando aumenta de tamanho, a glândula comprime a uretra e a bexiga, dificultando a passagem do líquido.

Assim, os homens acometidos podem ter problemas para começar a urinar ou ainda sentir que a bexiga continua cheia — pois, de fato, está.

Como não é possível eliminar o xixi todo de uma vez, as idas ao banheiro se tornam cada vez mais frequentes, principalmente à noite.

Em casos mais graves, a hiperplasia benigna da próstata pode provocar complicações.

A pressão da próstata sobre o aparelho urinário pode provocar obstrução e retenção do xixi, sobrecarga aos rins, infecção e incontinência urinária, rompimento de vasos da uretra (com o aparecimento de sangue na micção) e dores no abdômen inferior.

Fatores de risco

As causas da hiperplasia benigna da próstata são desconhecidas, mas sabe-se que o envelhecimento é um fator importante para o seu aparecimento.

A ciência aponta que as alterações hormonais desta fase podem estar relacionadas com o aumento da glândula.

A partir dos 30 anos, os níveis de testosterona apresentam um declínio de 1% ao ano, e essa queda se acentua ao envelhecer. Assim, a prevalência cresce conforme a idade avança.

Diagnóstico

O diagnóstico da próstata aumentada é feito a partir do relato dos sintomas e por exames físicos e de imagem.

No exame de toque retal, o médico consegue tatear a próstata e encontrar possíveis alterações na forma e na consistência da glândula.

É um procedimento rápido, feito em poucos segundos, e que pode também ser útil na detecção do câncer de próstata, que atinge cerca de 65 mil brasileiros todos os anos.

Já recursos como a ultrassonografia e a ressonância magnética dão mais detalhes sobre o estado da glândula, informando suas exatas proporções e indicando a natureza das alterações. Em alguns casos, pode ser feita a biópsia do tecido aumentado.

O médico também pode indicar a realização de exames de sangue para averiguar a taxa de antígeno prostático específico (PSA)

Essa enzima pode estar alterada por vários motivos, como a prostatite (inflamação na glândula), a própria hiperplasia benigna da próstata e o câncer de próstata.

Por isso, resultados suspeitos neste teste devem sempre ser interpretadas com auxílio de outras provas e dados do histórico médico do paciente.

Tratamentos

O tratamento clínico inicial é feito com o uso de medicamentos.

“A principal classe utilizada é a de bloqueadores alfa-adrenérgicos”, cita Luis Rios, diretor do Serviço de Urologia do Hospital Público do Servidor Estadual. “Eles al iviam a contração dos músculos da próstata e ajuda a reduzir ou estabilizar seu tamanho”.

Diferentemente do que se propaga por aí, eles não necessariamente interferem na libido ou no desempenho sexual. Alternativas naturais, como fitoterápicos e suplementos, são vendidas na internet, mas as evidências científicas de eficácia deles são fracas.

Caso o paciente não responda às abordagens iniciais, são recomendados procedimentos cirúrgicos.

A cirurgia mais comum é a de ressecção transuretral da próstata, que remove o tecido interno da glândula. Em raros casos, é feita a prostatectomia, ou seja, a retirada completa do órgão.

Abordagens cirúrgicas, no entanto, podem causar complicações como incontinência urinária e disfunção erétil.

Felizmente, técnicas novas e mais seguras já estão chegando às redes de saúde pública e privada do país. É o caso das cirurgias robóticas e de uma nova técnica, chamada Rezum, que corrige o problema ao vaporizar a próstata e promove uma rápida recuperação dos pacientes.

Data: 14/08/2023 Fonte: Veja Saúde Online - SP

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store