Os vilões da saúde gástrica

O estilo de vida moderno com muito estresse, sedentarismo e hábitos alimentares inadequados, como excesso de comidas gordurosas e comer depressa e em horários irregulares torna cada vez mais frequentes os problemas de azia e má digestão entre os brasileiros. Às vezes, essas sensações estão apenas relacionadas aos maus hábitos de alimentação, porém, podem servir de alerta para doenças, como refluxo, gastrite e úlcera.

“Há alguns anos, foi realizado um importante estudo epidemiológico no Brasil envolvendo grande amostragem de indivíduos maiores de 16 anos de idade com queixa de azia relativamente frequente. Os resultados referentes à população urbana revelaram que 12% a 20% dos adultos podem apresentar a doença do refluxo gastroesofágico. Ela afeta predominantemente o sexo feminino e a prevalência tende a aumentar com a idade”, explica o médico gastroenterologista e diretor de comunicação da Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG), Dr. Joaquim Prado.

Cerca de 10% dos adultos sofrem de azia e de 35% a 45% têm esses sintomas eventualmente, segundo estima a nutricionista clínica funcional Natália Colombo. “Na maior parte dos casos, isso está relacionado a hábitos alimentares inadequados, excesso de fast-food, estresse crônico, deficiência nutricional, uso inadequado de medicamentos e bebida alcoólica. Percebemos que o uso de medicamentos para controle da azia, como o omeprazol, tem aumentado consideravelmente. Os casos de má digestão também têm aumentado”, afirma.

Problemas afetam a qualidade de vida

A azia, cujo termo médico é pirose, corresponde à sensação de queimação no tórax ou na parte superior do abdômen. A pirose com frequência igual ou superior a uma vez por semana pode ser sintoma de doença do refluxo gastroesofágico.

Já a má digestão, também chamada dispepsia, causa estufamento, azia e náuseas. “A dispepsia pode ser sugestiva de um quadro de gastrite nervosa (dispepsia funcional), na qual nenhuma

lesãoorgânica é caracterizada, mas o estômago se esvazia mais lentamente e a sensibilidade pode estar aumentada, levando à sensação de estufamento e desconforto após a alimentação. Pode estar relacionado à tensão emocional e estresse”, diz o Dr. Prado.

Azia e má digestão são, portanto, sensações independentes que se manifestam separadamente ou associadas. Podem ocorrer ocasionalmente, representando apenas uma sensação momentânea, como por exemplo, depois de ingestão exagerada de alimentos e bebidas, ou se tornarem habituais e mais intensas sugerindo alguma doença que pode afetar a qualidade de vida.

Segundo o gastroenterologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Dr. Ricardo Barbuti, a azia e a má digestão também podem estar relacionadas a outras enfermidades, como: úlceras de duodeno e gástricas; problemas da vesícula, pâncreas e fígado; verminoses; infecções como o Helicobater pylori; tumores de todos estes órgãos; e alterações metabólicas (diabetes, hipotireoidismo, doenças vasculares e cardíacas).

A digestão influencia no acúmulo de gordura?

Muitas pessoas acreditam que o corpo não consegue digerir ou eliminar o que não vai aproveitar. Assim, os alimentos mal digeridos se acumulariam e se transformariam em gordura. Entretanto, essa hipótese não é confirmada pelos especialistas.

“Não existe nenhum estudo que comprove isso. O que acontece, mas que não está diretamente relacionado ao acúmulo de gordura, é a constipação intestinal, ou seja, quando o estômago e o intestino são sobrecarregados e têm dificuldade para absorver os nutrientes”, afirma a nutricionista clínica funcional, Natália Colombo.

O gastroenterologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Dr. Ricardo Barbuti, lembra que existe a possibilidade de indivíduos obesos apresentarem a capacidade de extrair mais calorias da dieta, fator normalmente ligado à alteração da microbiota intestinal.

“Essa disbiose também leva a um estado pró-inflamatório que pode interferir no metabolismo, fome e saciedade, além de aumentar o risco de outras doenças, como gordura no fígado, hipertensão arterial, hipecolesterolemia (taxas elevadas de colesterol no sangue), hipertrigliceredemia (níveis elevados de triglicérides) e vários tipos de neoplasias”, diz.

AZIA E MA DIGESTÃO: DA ORIGEM AO TRATAMENTO

Causas do quadro

  • Comer depressa;
  • Ingestão de líquidos gasosos;
  • Hábitos de alimentação incorretos;
  • Estresse.

Sintomas relacionados

  • Dor abdominal;
  • Diarréia;
  • Prisão de ventre.

Alerta às farmácias

  • É sempre recomendável o estabelecimento do diagnóstico efetivo pelo médico, porque não existe relação direta entre a intensidade dos sintomas e a gravidade da doença. Sintomas considerados leves podem representar quadro patológico intenso e vice-versa;
  • O paciente, ao apresentar sintomas gastrointestinais com frequência, precisa procurar um gastroenterologista.

Tratamento medicamentoso

O tratamento varia de acordo com cada caso. Em geral, são prescritos fármaco como:

  • Inibidores da bomba de prótons (omeprazol, lansoprazol, rabeprasol, pantoprazol, esomeprasol, dexlansoprazol), bloqueadores dos receptores H2 (ranitidina, por exemplo);
  • Procinéticos (domperidona, bromoprida, metoclopramida, etc.).

Tratamento não medicamentoso

  • Evitar deitar logo após ter feito as refeições. O ideal é esperar, ao menos, duas horas;
  • Fazer várias refeições ao longo do dia, com porções menores de cada vez;
  • Praticar atividades físicas com regularidade;
  • Evitar o consumo de leite integral; refrigerantes; bebidas alcoólicas; alimentos picantes, gordurosos e que contenham cafeína, como café, chá mate; e chocolate;
  • Ingerir chás digestivos, como de alecrim, hortelã, espinheira-santa, melissa, camomila, boldo-do-chile e maracujá para melhorar a produção e a concentração de ácido gástrico e das enzimas essenciais para a digestão;
  • Utilizar alimentos alcalinos, como pepino, repolho, beterraba, cenoura, nabo, brócolis e couve-flor;
  • As vitaminas A, E, B12, Ceo ácido fólico encontrados nas frutas e hortaliças ajudam a recuperar a mucosa do estômago.

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store