O lado oculto do plasil: como o remédio contra náuseas pode causar tremores

A medicação, utilizada há mais de 60 anos, ganha destaque por seus efeitos colaterais em meio ao aumento de casos de doenças como diabetes e covid-19.

O plasil, disponível nas farmácias desde 1964, é um dos medicamentos mais conhecidos para aliviar sintomas de náuseas e enjoos. Com o princípio ativo cloridrato de metoclopramida, o remédio atua tanto no sistema digestivo quanto no cérebro. No entanto, um efeito colateral menos conhecido, mas bastante comum, são as reações extrapiramidais. Estes efeitos podem causar tremores, espasmos e rigidez muscular em quem utiliza o medicamento.

Rafael Bandeira, gastroenterologista do Centro Especializado em Aparelho Digestivo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo, explica: “A metoclopramida atua como um antagonista da dopamina. No sistema digestivo, a dopamina tem um efeito inibitório. Ao bloquear essa ação, o plasil acelera a digestão, ajudando a aliviar o desconforto estomacal”.

Mecanismo de ação e riscos

A eficácia do plasil no alívio de sintomas de náusea é indiscutível, mas é crucial entender os riscos associados ao seu uso. A medicação age no neurotransmissor dopamina e, por ser lipossolúvel, facilmente penetra no sistema nervoso central. “Isso pode ser tanto um benefício quanto um problema. O efeito antiemético é aumentado, mas também podem surgir eventos adversos”, complementa Bandeira.

Segundo a bula, os efeitos colaterais extrapiramidais afetam entre 1 e 10% dos usuários. Em alguns casos, o simples fato de cessar o uso da medicação pode reverter os sintomas. Mas em situações mais graves, pode ser necessário recorrer a outros medicamentos para restaurar a função muscular.

Recomendações e cuidados

O plasil está na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial de Saúde (OMS) e é comumente utilizado para tratar enjoos e náuseas. No entanto, seu uso prolongado ou em dosagens elevadas aumenta o risco de efeitos colaterais. “Se a náusea não vai embora, precisamos encontrar a razão. O uso contínuo do plasil, principalmente sem orientação médica, não é recomendado”, reforça Bandeira.

O remédio também é contraindicado para pacientes em tratamentos psiquiátricos, com doença de Parkinson ou epilepsia, e para mulheres que estão amamentando.

É fundamental que o uso contínuo do plasil seja sempre acompanhado por um profissional de saúde para minimizar possíveis reações adversas.

Data: 22/09/2023 Fonte: Plox Online - MG

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store