Nem tudo é gripe: saiba diferenciar e prevenir as doenças de inverno

No inverno, as doenças respiratórias tendem a se tornar mais frequentes devido às condições climáticas e aos comportamentos típicos dessa estação.

E não estamos falando só da gripe. É fundamental reconhecer os fatores que podem facilitar a propagação de cada doença e aprender a identificá-las para que possamos tratá-las de forma adequada, garantindo uma recuperação mais efetiva.

Além do resfriado comum e da gripe, outras doenças comuns no inverno incluem bronquite, pneumonia, sinusite e até mesmo alergias sazonais. Durante o inverno, há também o aumento da incidência de crises de asma e o agravamento da DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, termo utilizado para abranger a bronquite crônica e o enfisema, relacionados principalmente ao consumo de tabaco).

Como diferenciar as doenças?

Distinguir os sintomas respiratórios entre uma doença alérgica, como a rinite, e uma infecção viral mais branda, como um resfriado, nem sempre é fácil, conforme explica Gustavo Prado, médico pneumologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz de São Paulo

“Normalmente, as pessoas que manifestam crises de espirros, coceira no nariz, garganta, ouvido e olhos, além de espirros consecutivos, têm uma alta chance de serem alérgicas. A rinite alérgica, assim como outras condições que podem acompanhá-la, como a asma e a dermatite, também pode afetar outros familiares, como irmãos ou pais. Porém, quando a pessoa passa a ter espirros, tosse, mal-estar geral e até febre, podemos estar diante de um quadro infeccioso, que pode ser um resfriado ou uma gripe, dependendo do agente e da intensidade dos sintomas”.

Confira abaixo algumas das principais doenças e seus tratamentos:

Rinite Alérgica

A rinite é uma inflamação da mucosa nasal causada por reação alérgica, que gera sintomas como espirros, coriza e coceira no nariz. As substâncias desencadeadoras das crises alérgicas podem ser pólens, poeiras, ácaros ou pelos de animais, mas variam de pessoa para pessoa.

O controle da condição pode ser feito com medicamentos anti-histamínicos e corticoides nasais.

Sinusite

A sinusite é a inflamação dos seios da face, caracterizada por dor facial, secreção nasal e dor de cabeça. Durante o inverno, indivíduos com rinite alérgica têm maior predisposição a desenvolver essa inflamação. A maioria dos casos de sinusite é causada por vírus ou alergias, sendo que uma minoria está relacionada a infecções bacterianas. O tratamento envolve o uso de anti-histamínicos, anti-inflamatórios, descongestionantes e lavagem nasal com solução salina. A prescrição de antibióticos é indicada somente em casos de suspeita de infecção bacteriana. Pneumonia

A pneumonia é uma infecção pulmonar que pode ser causada por bactérias, vírus ou fungos, resultando em inflamação das vias respiratórias e afetando os pulmões. Os sintomas comuns incluem tosse com produção de catarro, febre, calafrios e, em casos mais graves, falta de ar e dificuldade respiratória.

O tratamento da pneumonia geralmente é realizado em casa com o uso de antibióticos e analgésicos, sob supervisão médica. No entanto, em casos mais severos com sinais de alerta, como problemas de oxigenação, confusão mental ou falência renal, a hospitalização pode ser necessária para a administração intravenosa de medicamentos e a utilização de oxigenoterapia.

É importante destacar que o diagnóstico e o tratamento adequados da pneumonia devem ser realizados por um profissional de saúde, levando em consideração a gravidade dos sintomas, a causa específica da infecção e a condição geral do paciente.

Otite

A otite é uma infecção do ouvido, geralmente causada por vírus ou bactérias provenientes da garganta. Essa condição provoca dor localizada, febre e pode haver produção de secreção no ouvido. É mais comum em crianças, mas também pode afetar adultos.

O tratamento da otite geralmente envolve o uso de analgésicos para aliviar a dor, como paracetamol ou ibuprofeno, além de medidas para reduzir a inflamação local. É importante ressaltar que o uso de antibióticos é prescrito somente se houver suspeita ou confirmação de infecção bacteriana, pois a maioria dos casos de otite é de origem viral e tende a se resolver espontaneamente.

Asma

A asma é uma doença inflamatória dos pulmões que afeta pessoas predispostas e pode ser desencadeada por fatores alérgicos, como exposição ao frio e presença de poeira. Embora seja mais comum em crianças, também pode ocorrer em adultos, manifestando-se por sintomas como chiado no peito, falta de ar e tosse.

O tratamento da asma é conduzido por um pneumologista, que irá avaliar a gravidade da doença e prescrever o tratamento adequado. Isso geralmente inclui o uso de broncodilatadores para aliviar a constrição dos brônquios e facilitar a respiração, além do uso de corticosteroides para reduzir a inflamação pulmonar. Outros medicamentos, como anti-inflamatórios e antialérgicos, também podem ser utilizados para controlar os sintomas e prevenir crises de asma.

Meningite

A meningite é uma infecção das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal, podendo ser causada por vírus, bactérias, fungos ou parasitas. Os sintomas podem surgir de forma repentina e incluem febre alta, dor de cabeça intensa, rigidez de nuca, dores no corpo, vômitos e, em casos mais graves, convulsões e alteração do estado mental.

Embora a meningite possa ocorrer em qualquer faixa etária, é mais comum em crianças. A transmissão geralmente ocorre por meio do contato com gotículas respiratórias de uma pessoa infectada, como tosse, espirro ou fala.

O tratamento da meningite depende do tipo de micro-organismo envolvido. No caso da meningite bacteriana, é necessária uma intervenção médica urgente. Antibióticos injetáveis, como a penicilina, são frequentemente utilizados. No entanto, a meningite viral geralmente é autolimitada e não requer tratamento específico, sendo administrados medicamentos para aliviar os sintomas, como analgésicos e anti-inflamatórios.

Como se prevenir?

O pneumologista destaca a importância de nos lembrarmos das lições aprendidas ao longo da pandemia da Covid-19, como o uso de máscaras, a higienização correta das mãos e a ventilação adequada de ambientes, além da vacinação.

“São ferramentas poderosas para reduzir o risco de contágio das infecções respiratórias virais e, especificamente falando sobre as vacinas, nos proteger das formas mais graves das doenças”, pontua.

Manter o esquema vacinal em dia é fundamental, tanto do ponto de vista individual quanto coletivo, lembrando que para as pessoas que pertencem aos grupos vulneráveis, outras vacinas, como a da doença pneumocócica, podem ser adicionadas. É importante frisar que todas as vacinas são fornecidas pelo Ministério da Saúde e aplicadas nas unidades básicas de saúde e centros de referência.

É importante, também, adotar os seguintes hábitos:

  • Evitar locais fechados e com aglomeração de pessoas;
  • Assegurar uma boa ventilação e circulação de ar no ambiente;
  • Realizar a higienização frequente das mãos com álcool ou lavagem com água e sabão, especialmente após estar em espaços públicos;
  • Cobrir a boca e o nariz com um lenço de papel descartável ao tossir ou espirrar;
  • Fortalecer o sistema imunológico, adotando uma dieta rica em frutas e vegetais, pois esses alimentos são fontes de antioxidantes e minerais.
Data: 26/06/2023 Fonte: Tim News Online - SP

Você tem várias formas de agendar consultas e exames:

Envie uma mensagem para:

WhatsApp

Agende sua consulta ou exame:

Agende online
QR Code Agende sua consulta ou exame

Agende pelo app meu oswaldo cruz

App Meu Oswaldo Cruz disponível no Google Play App Meu Oswaldo Cruz disponível na App Store