Especialista dá dicas de como reduzir o estresse do vestibular

Com a chegada da temporada de vestibulares em novembro, é muito importante estar atento aos sinais de estresse e ansiedade que podem aparecer durante a rotina de estudos. O preparo físico e mental para os exames deve ser realizado de forma saudável para que o estudante consiga passar pelos dias de provas sem problemas.

Alguns cuidados simples, mas essenciais, são capazes de diminuir o estresse e melhorar a capacidade de aprendizado: ter uma boa noite de sono, praticar exercícios físicos e ter uma alimentação saudável.

De acordo com o Dr. Américo Cuvello, clínico geral do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, manter o sono regular pode facilitar na absorção do conteúdo. O especialista comenta que ficar acordado até tarde para estudar não é o recomendado. A prática, apesar de comum, afeta o rendimento escolar e consequentemente pode causar exaustão e falta de atenção, levando o pré-vestibulando a ter um desempenho ruim nas provas.

“O esforço é válido quando feito de forma consciente. Além do cansaço, o estresse pode ser amplificado e desencadear uma série de problemas, como ansiedade e até síndrome do pânico”, comenta o especialista.

Seguir uma alimentação saudável também é um dos diferenciais para conseguir a disposição necessária e repor as energias. “O ideal é se alimentar a cada três horas, aumentar a ingestão de líquidos e evitar o consumo de produtos com elevada quantidade de carboidrato ou gorduras poli-insaturadas e frituras, principalmente no dia anterior à prova. Assim, é possível reduzir as chances de desconfortos estomacais, dores e náuseas”, complementa o médico.

Uma dica importante que ajuda a reduzir os níveis de estresse é a prática diária de atividades físicas, uma vez que o estresse reage de formas diferentes no corpo e pode baixar a imunidade do organismo. “É essencial fazer pausas nos estudos para se movimentar. Nesses casos, a indicação é que o estudante procure fazer algo que não estimule ainda mais o estresse, como a meditação, ioga ou pilates”, ressalta o médico.

O especialista chama atenção para o perigo da automedicação e outros métodos utilizados para ter mais disposição ao longo do dia. Medicações geralmente indicadas para o tratamento de transtorno do déficit de atenção e hiperatividade não devem ser ingeridos sem a prescrição ou supervisão médica. O Dr. Cuvello também explica que isso pode ser prejudicial à saúde e recomenda que os estudantes procurem sempre soluções saudáveis antes de recorrer ao uso de medicações.

Sobre o Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Fundado por um grupo de imigrantes de língua alemã, o Hospital Alemão Oswaldo Cruz é um dos maiores centros hospitalares da América Latina. Com atuação de referência em serviços de alta complexidade e ênfase nas especialidades de oncologia e doenças digestivas, em 2019 a Instituição completou 122 anos. Para que os pacientes tenham acesso aos mais altos padrões de qualidade e de segurança no atendimento, atestados pela certificação da Joint Commission International (JCI) — principal agência mundial de acreditação em saúde –, o Hospital conta com um corpo clínico renomado, formado por mais de 3.900 médicos cadastrados ativos, e uma das mais qualificadas assistências do país. Sua capacidade total instalada é de 805 leitos, sendo 582 deles na saúde privada e 223 no âmbito público. Desde 2008, atua também na área pública como um dos cinco hospitais de excelência do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS) do Ministério da Saúde.

Hospital Alemão Oswaldo Cruzhttp://www.hospitaloswaldocruz.org.br/

Autor: JACIARA BARROS
Data: 30/10/2019