Colesterol muito baixo pode causar problemas de saúde

O colesterol é uma substância importante para o organismo. São várias as suas funções, como manter o funcionamento adequado da membrana celular e transportar vitaminas lipossolúveis (aquelas que se dissolvem apenas em substâncias gordurosas, como as vitaminas A, D, E e K) pelo sangue. Muito se fala na necessidade de diminuir o nível de colesterol no sangue para evitar, principalmente, as doenças cardiovasculares. Mas será que é saudável mantê-lo em um nível muito baixo?

Segundo o Dr. Fábio de Cerqueira Lario, coordenador do Núcleo de Cardiologia Geral e Prevenção do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, já está bem determinado que o nível elevado de colesterol (LDL) no sangue está associado ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares e deve ser controlado. Entretanto o nível muito baixo também pode se associar a problemas de saúde, como depressão, câncer e déficit de vitaminas. Contudo o nível mínimo considerado saudável ainda é objeto de debate no meio científico.

Segundo ele, existe certo consenso de que valores do LDL-Colesterol (¨colesterol ruim”) menores que 40 mg/dl no sangue são considerados baixos, entretanto, estudos recentes não demonstraram efeitos colaterais graves mesmo quando esse valor foi reduzido até 25 mg/dl.

Dr. Lario alerta também para os índices considerados aceitáveis para o colesterol, que podem variar de pessoa para pessoa. “Nas pessoas que possuem risco mais elevado de desenvolver uma doença cardiovascular, fumam, são sedentárias, diabéticas, hipertensas e com idade mais avançada, os níveis de colesterol devem ser mais baixos. Em contrapartida, se o nível de colesterol for o único fator de risco e não for excessivamente alto, pode-se tolerar um valor um pouco maior”, ressalta.

O uso de medicamentos como as estatinas chegam a reduzir o colesterol em até 60%. Mas eles devem ser usados apenas com orientação médica, em geral por pessoas que já desenvolveram doenças do coração relacionadas ao depósito de colesterol nas artérias ou que apresentam risco mais elevado de desenvolvê-las.  Para essas pessoas que já usam medicamentos para redução de colesterol, sobretudo as que já tenham apresentado infartos do coração ou angina, e que estejam preocupadas com níveis muito baixos de colesterol, é importante que não deixem de usá-los sem antes procurar orientação de seus médicos.​

Data: 29/06/2017