Enfrentando o Coronavírus COVID-19

O cuidado com a saúde não pode esperar.

  • Os sinais e sintomas do nosso organismo são alertas que não devem ser ignorados ou subestimados. O tempo é fundamental no diagnóstico precoce das doenças e no socorro aos episódios agudos como um infarto ou um AVC;
  • Não se automedique. Você pode mascarar sintomas ou tomar medicamentos que em conjunto e sem prescrição médica podem trazer complicações à sua saúde;
  • Cuidado com uma febre alta ou não, com ou sem causa definida. Por ex.: cólica renal com febre é emergência médica;
  • Febre com dor no ouvido ou na garganta, secreção amarelada pelo nariz, rouquidão persistente e tontura rotatória;
  • Febre, com calafrios ou não, alta ou baixa, com ou sem causa aparente, pode ser causada por algum problema mais grave;
  • Pequenas quedas podem provocar fraturas graves, especialmente em idosos. Por isso ao sentir dor no local ou inchaço é importante buscar auxílio médico;
  • Não adie, sem a recomendação do seu médico, exames como uma endoscopia ou colonoscopia;
  • Nunca deixe de fazer seus controles, sobretudo, se faz uso de medicação imunossupressora ou de outros medicamentos de uso prolongado. O diagnóstico precoce do câncer é fundamental para o sucesso do tratamento;
  • A rapidez no atendimento de um acidente vascular cerebral (derrame) pode prevenir sequelas e em caso de infarto pode salvar o músculo cardíaco. Se você já tem algum tipo de doença no coração fique atento para a piora dos sintomas, como acentuação da falta de ar, inchaço, palpitações persistentes que significam alteração do ritmo cardíaco. Dor intensa no peito, ombro, braço ou queixo, que o faz suar pode ser infarto que se tratado precocemente pode evitar danos ao músculo cardíaco;
  • A perda da consciência ou tontura intensa, podem significar problemas neurológicos ou cardíacos;
  • Controles oncológicos não devem ser adiados. Mantenha seu tratamento oncológico e siga rigorosamente a orientação do seu oncologista;
  • A diabetes deve ser controlada. Se você tem apresentado crises frequentes de hipoglicemia ou têm mostrado níveis glicêmicos mais elevados do que o habitual, não se automedique e procure seu médico;
  • Dor ao urinar ou febre, associadas com dor abdominal atípica no pós-cirúrgico ginecológico são sinais importantes;
  • Dor abdominal, sobretudo, se for intensa, associada à febre, vômitos e diarreia com sangue, pode ser causada por uma série de problemas importantes;
  • Dor abdominal persistente, que não melhora com analgésicos, com piora progressiva, com distensão progressiva pode indicar necessidade de avaliação de um cirurgião;
  • Dor na região lombar, intensa, com formigamento na perna, perda de força muscular e/ou perda de sensibilidade no períneo;
  • Dor na região lombar em cólica e intensa pode ser um cálculo renal;
  • Dor no pescoço intensa com irradiação para o braço com perda de força e /ou sensibilidade no braço do mesmo lado;
  • Dor súbita e inchaço nas pernas pode indicar uma trombose venosa;
  • Dor forte na perna com diminuição de temperatura, fraqueza e escurecimento na perna;
  • Tosse com expectoração com sangue e gânglios no pescoço precisam ser investigados;
  • O sangramento anal pode ser ocasionado pelas hemorróidas, mas também pode ter outro tipo de causa. O seu médico lhe indicará os exames adequados a serem realizados;
  • Crise convulsiva em adulto pela primeira vez;
  • Falta de ar com chiado que não melhora com os medicamentos habituais, inclusive com spray de broncodilatadores (salbutamol, fenoterol e outros);
  • Alteração de consciência súbita em idosos, com agitação;
  • Dor de cabeça súbita, de forte intensidade sem ter apresentado esse sintoma anteriormente;
  • Ingestão de corpo estranho.

O Hospital Alemão Oswaldo Cruz adotou diversas medidas para promover um ambiente seguro para você e todo a equipe médica e assistencial, como separar os ambientes e fluxos de atendimento para quem apresenta sintomas de COVID-19. Assim, se você precisa vir para o Hospital, pode ficar tranquilo.

 

Teleorientação

Está com sintomas do Coronavírus?

Avalie seu estado de saúde por teleatendimento.

Clique aqui e avalie

 


Autocuidado na quarentena

Preparamos um conteúdo exclusivo para o seu autocuidado durante a quarentena.

Clique aqui e baixe o material


 

Como se prevenir do Coronavírus?

 
 

Podcasts sobre o Coronavírus

Podcast

 

Episódio 1:
Dicas de prevenção

Episódio 2:
Cuidados para pacientes com Diabetes

Episódio 3:
Cuidados para pacientes Oncológicos

Episódio 4:
Cuidados com pacientes Cardíacos


 

Guias para o enfrentamento ao COVID-19


 

O que é?

Trata-se de um vírus respiratório da família dos Coronavírus. Essa família de vírus é conhecida desde meados de 1960. Este tipo de vírus pode causar infecções respiratórias em seres humanos e em animais (dromedários, gatos e morcegos). Em geral, as infecções causadas, cursam entre leves a moderadas. Entretanto, alguns desses vírus, podem causar doenças graves de alto impacto na saúde pública.

Incubação / Transmissão

Em média 5 dias, podendo chegar até 16 dias.
Ainda não está bem definido, em média 7 dias após o início dos sintomas, mas é possível que a transmissão possa ter início mesmo antes dos sintomas.
Qualquer pessoa pode ser contaminada, uma vez que se trata de um vírus novo.

Sintomas

Podem variar entre quadros leves (resfriados) e manifestações mais graves. Os pacientes apresentam, principalmente, sintomas respiratórios (tosse e dificuldade para respirar) acompanhados de febre.
Não há recomendação para realização de exames em pacientes assintomáticos. Tampouco a recomendação de ida ao serviço de saúde.
  • Higienize as mãos frequentemente, principalmente, após contato com secreções respiratórias;
  • Pratique etiqueta da tosse (manter distância, proteger boca e nariz com lenço descartável e higienizar as mãos);
  • Procure atendimento médico caso apresente dificuldade para respirar ou piora dos sintomas;
  • Mantenha isolamento social por 14 dias ou até fim dos sintomas;
  • Caso necessite sair de casa, utilize máscara.

Diagnósticos

Já existe exame para o diagnóstico de Coronavírus no Brasil. Na rede privada o exame está disponível, no entanto, não é coberto pelos convênios. Na rede pública o exame é realizado, sem custo, pelo Instituto Adolfo Lutz, mediante atendimento de alguns critérios preestabelecidos. É importante ressaltar, que a conduta do médico independe do resultado desse exame.
Laboratório particular: o PCR para Coronavirus é realizado pelo Fleury para casos suspeitos atendidos no PA (tempo de liberação do resultado 48h). Neste momento o exame será oferecido apenas para paciente em caráter hospitalar (pronto socorro ou internação).

Laboratório rede pública: Na rede pública o mesmo exame é realizado, sem custo, pelo Instituto Adolfo Lutz (IAL), apenas para pacientes com critério de caso suspeito, porém o IAL não informa o prazo de liberação de resultados de exames e, por esse motivo, nós, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, não informamos prazos para os pacientes no momento da coleta.

Significa que não foi detectado Coronavírus na amostra.
Até o momento, não há recomendação de se coletar recorrentes amostras para pesquisa de Coronavírus.

Tratamento

Não há tratamento específico para Coronavírus. É recomendado, fazer uso de medicamentos para aliviar os sintomas.
  1. Evite tocar os olhos, nariz e boca;
  2. Evitar contato próximo (menos que 1 metro) com pessoas com infecções respiratórias agudas (p. ex. gripes e resfriados);
  3. Higienização frequente das mãos, principalmente, após contato direto com pessoas doentes;
  4. Pessoas com infecção respiratória aguda devem praticar etiqueta da tosse:
    • Cobrir boca e o nariz com um lenço descartável ou usar o antebraço;
    • Higienizar as mãos imediatamente após tossir, espirrar ou assoar o nariz;
  5. Em caso de viagem, procure se informar sobre restrições de devido a epidemia;
  6. Em caso falta de ar, febre e tosse, durante ou após a viagem, os viajantes devem procurar atendimento médico.

Vacina

Ainda não há vacina disponível.
  • Tome a vacina contra a gripe. Ela é recomendada e a Campanha Nacional de Vacinação terá início no dia 23 de março, quando idosos e profissionais de saúde terão prioridade para se vacinarem. A vacina contra a influenza, garante proteção para três tipos de vírus (H1N1, H3N2 e Influenza B). Mesmo que a vacina não apresente eficácia contra o Coronavírus, é uma forma de prevenção para outros vírus, ajudando a reduzir a demanda de pacientes com sintomas respiratórios e acelerarem o diagnóstico para o Coronavírus.

Prevenção

  • Evitar contato próximo com pessoas com infecções respiratórias agudas;
  • Higienização frequente das mãos, principalmente, após contato direto com pessoas doentes;
  • Pessoas com infecção respiratória aguda devem praticar etiqueta da tosse (manter distância, proteger boca
    e nariz com lenço descartável e higienizar as mãos);
  • Não há recomendação específica da Organização Mundial da Saúde (OMS) para os viajantes;
  • Em caso de sintomas sugestivos de insuficiência respiratória ou doença durante ou após a viagem, os
    viajantes são incentivados a procurar atendimento médico.
  • A desinfecção deve ser feita em objetos e superfícies tocados com frequência, como: celulares,
    brinquedos, maçanetas e corrimão.
  • Atenção ao cumprimentar o outro evitando abraços, apertos de mãos e beijos no rosto;
  • Evitar aglomerações de pessoas e, se possível, optar pelo modelo de trabalho home office;
  • Optar por atividades físicas ao ar livre;
  • Evitar viagens. Se utilizar transporte público, opte pelos horários fora do pico e carregue álcool gel
    na sua bolsa, intensificando o número de vezes que higieniza as mãos.
  • Para pessoas com doenças crônicas como: insuficiência renal, câncer, diabetes e asma. E, transplantados
    e pessoas que fazem uso de corticosteróides, devem evitar locais com maior concentração de vírus
    (farmácias, postos de saúde…);
Para assegurar a segurança de nossos pacientes, recomendamos que visitas sejam evitadas. Quando for
indispensável, os visitantes devem circular o mínimo possível pelas áreas comuns. Em caso de necessidade de
circulação, usar máscaras simples.
Não há recomendação de utilização da máscara cirúrgica, para proteção de indivíduos assintomáticos, a indicação
é que os pacientes com sintomas respiratórios usem máscara para proteger as outras pessoas.

Informações adicionais

  • Desinfecção de objetos e superfícies tocados com frequência, como, celulares, brinquedos, maçanetas e corrimão;
  • Atenção ao cumprimentar outras pessoas. Evitar abraços, apertos de mãos e beijos no rosto;
  • Evitar aglomerações de pessoas e, se possível, optar pelo modelo de trabalho home office;
  • Optar por atividades físicas ao ar livre;
  • Para quem tem doenças crônicas (insuficiência renal, câncer, diabetes…): Evitar locais com maior concentração de vírus (farmácias, postos de saúde…);
  • Evitar viagens. Se utilizar transporte público, opte pelos horários fora do pico e carregue álcool gel na sua bolsa, intensificando o número de vezes que higieniza as mãos;
  • Tome a vacina contra a gripe. Ela é recomendada. A Campanha Nacional de Vacinação, terá início no dia 23 de março, quando idosos e profissionais de saúde terão prioridade para se vacinarem. A vacina contra a influenza garante proteção para três tipos de vírus (H1N1, H3N2 e Influenza B). Mesmo que a vacina não apresente eficácia contra o Coronavírus é uma forma de prevenção para outros vírus, ajudando a reduzir a demanda de pacientes com sintomas respiratórios e acelerar o diagnóstico para o Coronavírus.